Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Economia

Caixa não precisa de mais dinheiro para operar, dizem analistas

.

FLAVIA LIMA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Caixa não precisa de dinheiro novo para continuar emprestando neste ano e, talvez, nem mesmo em 2019, dizem especialistas e integrantes do próprio governo.

Segundo fontes que acompanham de perto a questão, a capitalização de R$ 15 bilhões do banco com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) teria como objetivo apenas elevar o crédito em ano eleitoral.

O presidente Michel Temer sancionou o socorro ao banco com recursos dos trabalhadores no início de janeiro.

De lá para cá, a discussão sobre a liberação foi encoberta pelo escândalo envolvendo parte do comando do banco, acusado de corrupção.

O episódio acabou expondo o embate entre aliados do governo, que pressionam pelos recursos em ano de eleição, e membros da equipe econômica, contrários à capitalização, mesmo após mudança do estatuto do banco, que endurece as regras para a escolha de seus dirigentes.

"Olhamos os números e temos convicção que a Caixa não precisa de recurso nenhum", diz fonte do governo.

Analistas da agência de risco Fitch, Claudio Gallina e Esin Celasun, concordam. "Provavelmente a Caixa não precisará de aporte em 2018, mesmo que não venha o dinheiro do FGTS."

AJUSTE

Em longo relatório sobre a Caixa ao qual a reportagem teve acesso, a Fitch diz que, mesmo em 2019, quando o banco terá que se ajustar às regras de Basileia 3 (acordo internacional que busca dar mais solidez ao sistema financeiro), a necessidade de aporte não é dada como certa.

Ela dependeria de variáveis como rentabilidade do banco, apetite por crédito, revisão de custos e volumes de dividendos pagos à União.

Consultada, a Caixa disse que se esforça para elevar seu capital próprio, mas, segundo indicadores atuais, não se enquadraria na regra externa. Por esse motivo, afirma, o governo editou o projeto de lei que autoriza o repasse.

Segundo a Fitch, lucros futuros e amortização de empréstimos existentes podem ajudar o banco a se enquadrar. Caso tenha problemas para atender exigências externas em 2019, diz, a Caixa tem ativos que poderia vender para reforçar o capital, como participações em subsidiárias como a de seguro.

No imbróglio, além das interferências político-partidárias, está em jogo a redefinição do tamanho da Caixa.

Fonte do governo garante que a Caixa não precisa de recursos novos, desde que deixe aos poucos de atuar em linhas como crédito a veículos e privilegie a sua maior vocação: o crédito imobiliário.

O financiamento imobiliário tem 60% da carteira de crédito da Caixa, seguido por saneamento e infraestrutura (11,4%), que ganha relevância ano após ano, e pelo consignado (9%), dentre outros.

BAIXA RENDA

Historicamente, a Caixa tem sido crucial na execução de políticas econômicas e sociais relacionadas à concessão de crédito para a população de mais baixa renda.

Justamente por focar créditos com menor risco —como o imobiliário—, a rentabilidade da Caixa é, em geral, menor que a de outros bancos grandes, explica a Fitch.

Após dois anos muito difíceis, o lucro líquido do banco subiu 80% para R$ 6,2 bilhões em 2017, até setembro.

A Fitch não descarta, porém, que calotes de empresas ameacem o lucro do banco.

Em março de 2017, o maior empréstimo da Caixa equivalia a 18% do seu patrimônio líquido, de R$ 65 bilhões.

A consultoria GO Associados lembra que a Caixa não tem apresentado prejuízo contábil, mas algumas operações resultaram em perdas.

Em 2016, a Caixa provisionou R$ 700 milhões para cobrir o risco de calote da Sete Brasil, criada para fornecer sondas para exploração do pré-sal. Além disso, funcionários e aposentados da Caixa têm entrado com ações na Justiça pela má gestão da Funcef, fundo de previdência dos servidores da estatal. Um dos piores investimentos foi justamente a Sete Brasil.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber