Facebook Img Logo
Mais lidas
Economia

Setor de franquias registra aumento de 8% em um ano

.

ANNA RANGEL

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A ABF (Associação Brasileira de Franchising) registrou um crescimento de 8% no setor em 2017, com faturamento total de R$ 163 bilhões.

Os dados foram divulgados na quinta-feira (11).

O presidente da organização, Altino Cristofoletti Junior, atribui o crescimento a iniciativas de inovação dentro das redes, enxugamento de custos e investimentos em novos produtos, além de gestão de marca e aumento do número de unidades pelo país, que chegou a 145 mil.

O número de redes, porém, teve retração de 6%. Hoje são 2.800 franqueadoras.

"Durante a crise, a população ficou mais atenta ao valor do dinheiro, por isso precisamos repensar as práticas e buscar formas de se aproximar do consumidor", diz.

O número de organizações que apostam em outros formatos de venda, como unidades móveis, quiosques e operações na casa do franqueado saiu de 6% para 9% do total em 2017.

Cerca de metade das franqueadoras optou por rever estratégias de marketing para cativar o consumidor.

O mercado ainda é bem brasileiro: quase 90% das franqueadoras surgiram no mercado local. As principais operações estrangeiras vieram de países como EUA, Japão, Espanha e França.

O investimento em novos produtos foi a aposta de 57,3% das redes, seguida por adaptações nos bens e serviços já vendidos e compra de novos equipamentos e softwares, opção de 45% das empresas.

O segmento de alimentação ainda é líder, com 34% de participação, embora tenha apresentado uma ligeira queda no gasto médio do consumidor, segundo Cristofoletti.

Mas houve crescimento de 4% na área de saúde, beleza e bem estar, que levou uma fatia de 16% do setor.

A empresa com o maior número de lojas é O Boticário, que mantém a primeira posição de 2016 e fechou o ano com 3.762 pontos de venda.

Na sequência, vêm as redes de alimentação AM/PM Mini Market, Cacau Show e McDonald's, com cerca de 2.000 lojas cada.

Para Cristofoletti, além do aumento no interesse por produtos saudáveis, redes de atendimento médico e outros ramos de saúde também se destacaram.

"A idade média do brasileiro está aumentando, junto com a procura por cosméticos e serviços de saúde, por exemplo", afirma.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber