Facebook Img Logo
  1. Edhucca Banner
Mais lidas
Economia

Maia diz ver como 'difícil, mas viável' votar a Previdência em fevereiro

.

JAMES CIMINO

NOVA YORK, EUA (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), se disse reticente em relação à votação da reforma da Previdência na casa em fevereiro, como acordado com o governo. Ele afirmou que, para se tornar viável, a aprovação demandará "muito diálogo".

Maia está em Nova York para um encontro com o secretário-geral da ONU, o português António Guterres, e conversou com jornalistas neste domingo (14).

Segundo ele, a aprovação da matéria em fevereiro "não é fácil", porque uma parcela da população é contra a reforma. "Muitos deputados, em ano eleitoral, se não tiverem muita clareza de que há uma base sólida para a aprovação, podem nem votar, pensando em sua base eleitoral", disse.

Maia afirmou que, para construir uma base de "pelo menos 320, 330 deputados", será preciso "muito diálogo e o envolvimento de outros políticos, inclusive governadores".

O deputado lembrou a situação fiscal delicada de alguns Estados e a necessidade de "reestruturar as contas públicas brasileiras". "Eles [governadores] serão beneficiados, a situação fiscal dos Estados vem piorando ano a ano. Se não votarmos, o número de Estados sem poder pagar o décimo-terceiro [de servidores] no ano que vem pode passar de cinco", disse.

Maia informou que já conversou com os governadores de Minas Gerais e de Santa Catarina -respectivamente, Fernando Pimentel (PT) e Raimundo Colombo (PSD)- e que ainda falará com outros.

MEIRELLES

Na entrevista, Rodrigo Maia também minimizou um possível desconforto com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles -que responsabilizou o Congresso, que ainda não conseguiu aprovar a reforma da Previdência, pelo rebaixamento da nota de classificação de risco da dívida brasileira pela agência Standard & Poor's.

Nos bastidores, os dois travam uma batalha para tentar se viabilizar como o nome de centro para as eleições.

Maia disse que neste momento não mistura extremos e jogou a culpa do atraso na votação da reforma nas denúncias de corrupção contra o presidente Michel Temer, barradas pela Câmara em agosto e outubro -segundo ele, os processos fizeram com que o governo perdesse base na Câmara.

"Sobre a reforma da Previdência [e a votação em fevereiro], sempre fui muito realista. O governo sai do fim de 2016 de uma base de 316 deputados e termina, após a segunda denúncia, com 250. É preciso recompor 70, 80 votos."

Para ele, reconstruir a base para ter "conforto" na votação é fundamental. "A decisão do governo depois da primeira denúncia foi afastar quem não votasse a favor do presidente, e isso abriu um problema: como se faz agora para ter 308 votos?", disse.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber