Mais lidas
Economia

Embraer diz que acordo com Boeing na defesa respeitará soberania nacional

.

IGOR GIELOW

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Embraer informou nesta quarta (3) que o eventual acordo de parceria com a Boeing norte-americana que inclua a área de defesa da empresa brasileira irá respeitar os interesses da segurança nacional.

A fabricante de São José dos Campos respondeu a um questionamento da CVM (Comissão de Valores Mobiliários, órgão que age como xerife do mercado de ações) sobre reportagem publicada pela Folha na terça (2) descrevendo o interesse da Boeing em associar-se também com a divisão de produtos militares da Embraer.

A Boeing busca a parceria com a Embraer primariamente por causa de sua linha de jatos regionais, produto da qual não dispõe. Sua rival europeia Airbus se adiantou ao comprar o controle de produto semelhante da canadense Bombardier, em outubro passado. Mas agora está claro que os americanos também querem o portfólio de defesa da Embraer, estrelado pelo cargueiro tático KC-390 e pelo caça de ataque leve Super Tucano, além de parcerias na área de engenharia para a execução de novos projetos.

Segundo o comunicado, não há ainda detalhes acerca da proposta da Boeing a informar ao mercado. O texto também diz que toda negociação obedecerá "incondicionalmente" o que for disposto pela existência da "golden share" do governo brasileiro, que permite à União vetar qualquer negócio da empresa.

"A eventual combinação de negócios com a Boeing deve preservar, antes de mais nada, os interesses estratégicos da segurança nacional e respeitar incondicionalmente as restrições decorrentes da ação de classe especial", diz o texto.

A ação especial é uma herança do processo de privatização da Embraer, ocorrido em 1994.

Após a revelação da negociação, no fim do ano, o governo federal rejeitou a perda de controle nacional da empresa. O próprio presidente Michel Temer disse isso, dando contudo aval a todo tipo de negociação. O gesto foi mais político, dado que o controle acionário da Embraer é pulverizado e com forte presença de estrangeiros.

A questão mais aguda é justamente a divisão de defesa, cujos contratos são majoritariamente ditados pelas necessidades da Força Aérea Brasileira, o que tem implicações de soberania nacional. Mas não só lá: subsidiárias da Embraer cuidam do programa de monitoramento de fronteiras do Exército e do sistema de controle do reator do futuro submarino nuclear brasileiro, entre outros projetos estratégicos.

A Boeing, como a Folha revelou, quer trazer à mesa modelos internacionais de parceria que garantam as salvaguardas de soberania, como ocorre na Austrália e Reino Unido. Só que nesses países ela instalou-se sozinha, situação diferente da proposta no Brasil.

A empresa americana também deixa claro que não pretende o controle acionário da Embraer, ainda que na prática ela vá ser o ator mais importante no caso de uma associação. Estão descartadas joint ventures ou acordos de negócios pontuais, como a venda do KC-390 no exterior que hoje é fomentada pela Boeing.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber