Mais lidas
Economia

ATUALIZADA - Governo prevê R$ 1 bi com leilão de petróleo

.

NICOLA PAMPLONA

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia (MME), Márcio Félix, disse esperar uma arrecadação de ao menos R$ 1 bilhão com o leilão de áreas para exploração e produção de petróleo que será realizado nesta quarta (27).

Responsável pela oferta, a ANP (agência reguladora do setor) prefere maior cautela: para o diretor-geral da autarquia, Décio Oddone, a cifra deve girar em torno de R$ 500 milhões.

A ANP oferecerá 287 áreas, com foco em reservas no pós-sal, a 32 empresas habilitadas a participar da disputa, incluindo as principais multinacionais do setor e a Petrobras.

"O leilão será bem-sucedido se aumentarmos o número de empresas no Brasil e houver uma arrecadação razoável. Acredito que R$ 1 bilhão é um número simpático. Se for mais, melhor", disse Félix.

Em valores corrigidos, a maior arrecadação em leilões de concessões promovidos pela ANP ocorreu na 9ª rodada, em 2007: R$ 3,8 bilhões.

A disputa na época foi impulsionada pela atitude agressiva da OGX (hoje Dommo Energia), que era controlada por Eike Batista. Por outro lado, sofreu com a exclusão, na véspera do leilão, de 41 áreas com potencial de reservas no pré-sal.

Dados da agência de informação E&P Brasil mostram que, em relação ao percentual de áreas concedidas, o leilão mais disputado foi a 2ª rodada, em 2000, quando 91% dos 23 blocos oferecidos foram contratados.

Neste leilão, que teve arrecadação de R$ 1,4 bilhão a valores de hoje, foram arrematados os blocos onde estão hoje os dois maiores campos brasileiros, Lula e Sapinhoá, no pré-sal.

Os blocos, porém, eram maiores do que os oferecidos atualmente. Já com blocos de menor tamanho, o leilão com melhor procura foi a 11ª rodada, em 2011, com 42% das áreas contratadas.

PARTICIPAÇÃO

O diretor-geral da ANP disse esperar que entre 20% a 30% dos blocos sejam arrematadas na 14ª rodada. Assim como Félix, porém, ele diz preferir medir o sucesso do leilão pelo número de empresas participantes.

"Todas as grandes empresas se inscreveram, o que mostra aumento da confiança no país", afirmou.

A 14ª rodada de licitações será a primeira após mudanças nas regras do setor com o objetivo de atrair investidores estrangeiros, que incluíram o fim da exclusividade da Petrobras no pré-sal e a redução dos compromissos de compras de bens e serviços no Brasil.

No dia 27 de outubro, serão realizadas duas rodadas do pré-sal, com a oferta de quatro áreas, cada uma. Até agora, 11 empresas já foram habilitadas para as disputas.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber