Mais lidas
Economia

Start-up recebe comissão de varejistas para vender produto perto do fim da validade

.

FILIPE OLIVEIRA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O prazo de validade de um produto na prateleira chegar perto do fim, motivo de angústia e tristeza do varejista, virou oportunidade de negócios para a start-up Ndays.

A empresa, em operação desde dezembro, usa a internet para vender com descontos, para consumo rápido, produtos que estão chegando mais perto do fim de vida útil.

Em visita ao site na quarta-feira (6), era possível encontrar um pacote de ração que custaria R$ 61 vendido por R$ 49 (15 dias de validade), uma garrafa de azeite que seria vendida por R$ 15,04 por R$ 9,78 (com 69 dias de validade) e um pacote de macarrão que custaria R$ 7,89 por R$ 5,98.

Os produtos vêm de 30 diferentes parceiros. Entre elas, estão algumas lojas do Extra, que vem fazendo programa-piloto com a start-up.

Gustavo Zanetti, diretor de marketing e cofundador da empresa, diz que a ideia do negócio veio do caso de um amigo dono de importadora, que percebeu que um lote de cervejas ficaria encalhado e chamou um grupo para tomar a bebida em um churrasco.

O fato fez os fundadores da empresa se atentarem à realidade de grande parte da indústria e do varejo: as perdas são inevitáveis e fazem parte dos custos rotineiros.

O Ndays surge como modo de reduzir o desperdício, de um lado, e recuperar parte do investimento feito nas mercadorias, de outro, diz.

Um dos grandes desafios do modelo é a organização das entregas, que precisam acontecer antes que o prazo de validade expire, diz Paulo Teixeira, sócio fundadora.

Ele diz que, na maioria dos casos, a empresa busca os produtos que varejistas querem vender com desconto e os leva para o armazém. Porém os itens não são comprados pela Ndays. Eles ficam em consignação no site e, caso sejam vendidos, as empresas que os cederam recebem o valor recuperado, descontada comissão, que, em média, é de 18%.

O Ndays espera aumentar a variedade de itens, como produtos eletrônicos com pequenas avarias ou ingressos de shows e passagens de avião que podem encalhar.

"Nosso sonho é trabalhar com todo tipo de produto e serviço, não necessariamente perecíveis, mas coisas que seriam desperdiçadas", afirma Zanetti.

A empresa afirma ter 50 mil usuários cadastrados. A companhia não informa o valor movimentado no site.

Foi investido mais de R$ 1 milhão no negócio.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber