Facebook Img Logo
Mais lidas
Economia

Construção civil puxa para baixo resultado da indústria no PIB

.

MARIANA CARNEIRO E LUCAS VETTORAZZO

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O desempenho negativo da construção civil é o principal fator a derrubar os resultados da indústria no PIB (Produto Interno Bruto).

No segundo trimestre, a indústria recuou 0,5% ante os primeiros três meses do ano. Na comparação com o mesmo período do ano anterior, a retração foi de 2,1%. No acumulado no semestre, a queda é de 1,6%.

A construção civil responde por cerca de um quarto do conjunto da indústria.

Ainda sob influência do crédito comprimido e de dificuldades de construtoras, o setor recuou 2% ante os primeiros três meses do ano. Em relação ao mesmo período do ano passado, a queda é de 7%.

Já são 13 trimestres seguidos de contração da construção civil no PIB.

Com números mais positivos vindos do setor automotivo e de equipamentos de informática, a indústria de transformação teve resultado positivo no segundo trimestre de 0,1%, ante os primeiros três meses do ano.

Na comparação anual, porém, o número ainda é negativo na indústria de transformação (-1%), com variação igual à do primeiro trimestre. A queda, porém, é menos negativa do que o período mais difícil da recessão, em meados de 2016.

Já na indústria extrativa, a maior produção de petróleo e de minério de ferro, a taxa de câmbio e preços mais altos impulsionaram o setor, que cresceu 0,4% no segundo trimestre, ante o primeiro, e 5,9% ante o mesmo período do ano passado.

No primeiro semestre, o crescimento acumulado da indústria extrativa cresceu 7,8%.

FUTURO

Os primeiros sinais sobre a atividade industrial em agosto são positivos.

O PMI do setor (índice de gerente de compras, da sigla em inglês), apurado pelo IHS Markit, subiu a 50,9 depois de ter ficado em 50 em julho. Acima de 50, o indicador aponta expansão.

O resultado refletiu principalmente o crescimento nos volumes de novos pedidos, diante do fortalecimento da demanda, o que levou a uma produção maior.

A demanda externa também teve destaque no resultado, uma vez que o número de pedidos do exterior cresceu em agosto no ritmo mais rápido desde abril de 2016, com os entrevistados citando a moeda relativamente fraca como fator. A Argentina foi citada como fonte importante de negócios.

As indústrias, entretanto, enfrentaram preços mais elevados de energia, combustíveis e metais, além de tributação mais alta, e com isso os custos de insumo atingiram o patamar mais alto em cinco meses.

Com isso os preços de venda voltaram a aumentar em agosto após apresentarem queda no mês anterior, com alguns entrevistados citando tentativas de proteção das margens de lucro.

Embora a produção tenha aumentado, os empresários do setor continuaram cortando funcionários, chegando a 30 meses de perdas de posições na indústria.

O PMI de agosto mostrou ainda que o otimismo da indústria perdeu força, chegando ao nível mais baixo em 16 meses, embora ainda haja expectativa de investimentos e planos de expansão de negócios.

O que afeta a confiança do empresário da indústria são as preocupações com a situação política no país e com as eleições presidenciais de 2018, de acordo com o IHS Markit.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber