Mais lidas
Economia

Fabricantes se esforçam para desenvolver veículos urbanos aéreos, mas esbarram em dificuldades

.

NATÁLIA PORTINARI

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Talvez nunca seja possível sair voando com seu carro para escapar do trânsito. Mas isso não significa que a indústria tenha parado de tentar chegar perto disso.

Em busca do primeiro carro voador estão Airbus, Toyota, Embraer e start-ups americanas e europeias. A ideia é ter veículos de transporte urbano aéreo, com decolagem vertical, em até cinco anos.

Em abril, a Uber criou a divisão Elevate, para coordenar um serviço de táxi voador quando as aeronaves estiverem prontas.

"O trânsito é incômodo nas metrópoles. Começamos a estudar como trazer as aeronaves para ajudar na mobilidade urbana", diz Antonio Campello, diretor de inovação da Embraer, uma das empresas que vão desenvolver veículos para a Uber. A ideia é ter um protótipo até 2020.

O time da Embraer é pé no chão. "Chamam de carro voador, mas é aeronave. Não é prático fazer avião com roda, chassi, engrenagens de carro. Até dá, mas gasta muito combustível", diz Campello.

Também não é provável que as autoridades permitam que motoristas pilotem carros-avião como nos filmes.

"A regulação do setor aeronáutico é restritiva, e nós não faríamos uma nave que voasse sem confiabilidade", afirma Sandro Valeri, engenheiro da Embraer.

Outros fabricantes ainda não descartaram o ideal "Blade Runner", como no Pop.Up, da europeia Airbus, que tem partes desmontáveis --um chassi com rodas, uma cápsula de passageiros e hélices acopladas no teto. Intercala o uso terrestre com o aéreo, ambos sem motorista.

A Airbus pertence a um grupo de empresas que defende mudanças na regulação internacional para permitir naves sem motorista, controladas à distância. É também o objetivo da Embraer e da Uber no Brasil. Hoje, não há certificação para veículos assim.

BATERIA FRACA

Há limitações técnicas. Para operar em grande escala, em meio ao trânsito comum, é necessário um motor silencioso. O ideal é que seja um veículo elétrico, mas a eficiência das baterias ainda não é suficiente para sustentar o voo por muito tempo.

A chinesa eHang e a alemã Volocopter aperfeiçoaram a tecnologia de drones e criaram pequenos helicópteros elétricos, potencialmente autônomos, que já foram testados no ar. Ambos têm limitações de alcance. O eHang voa sozinho por até 23 minutos, e o Volocopter, 20. O tempo para carregar é quase o dobro.

Os protótipos serão testados em Dallas, nos EUA, e Dubai, nos Emirados Árabes, ainda neste ano. Mas a autonomia de bateria só permite percorrer metade de Dubai. Em São Paulo, seria o suficiente para levar alguém do aeroporto de Guarulhos até a avenida Paulista.

Quanto maior a bateria, maior o peso e a perda de eficiência. Há quem questione se as baterias de lítio são seguras o suficiente para voos e se estão sendo usados os métodos de refrigeração adequados nesses protótipos.

A limitação de peso reforça a necessidade de mudar a regulação aérea, dispensar o piloto e tornar os veículos completamente autônomos, segundo os fabricantes.

CONCORRENTES

A Toyota também está na corrida e espera ter um veículo a tempo da Olimpíada de Tóquio, em 2020.

O Aeromobil, menos sustentável, foca os que têm licença de piloto de avião. Movido a gasolina quando voa e bateria quando está no chão, ele precisa de uma pista de 15 metros para decolar e deve custar mais de € 1 milhão.

Já o Lilium Jet, avião alemão completamente elétrico, terá propulsão vertical e horizontal. No projeto, ele decola com rotores de helicóptero e, quando já está no ar, passa a se sustentar com asas.

Com autonomia de voo de uma hora, o Lilium diz que terá bateria para rodar 300 km e carregar até cinco pessoas. Não é exatamente um "carro voador". Mas, caso decole, pode inspirar a criação de modelos menores --alguns, até, com rodas.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber