Mais lidas
Economia

ATUALIZADA - Protestos e bloqueios marcam começo de dia de greve no país

.

MARTHA ALVES, LUIZA FRANCO, JOÃO PEDRO PITOMBO E CAROLINA LINHARES

SÃO PAULO, SP, RIO DE JANEIRO, RJ, SALVADOR, BA, E BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - As mobilizações contra as reformas do governo Michel Temer (PMDB) começaram na madrugada desta sexta-feira (30) com protestos e bloqueios em rodovias pelo país.

Em São Paulo, os protestos concentraram-se em pontos localizados da cidade. Trens, ônibus e metrô circularam normalmente na capital paulista.

A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) informou que as manifestações interditaram por duas horas uma faixa da avenida Ipiranga bem próxima ao cruzamento com a avenida São João. A via foi liberada por volta das 9h. Também encontrava-se bloqueada a rua Boa Vista, sentido único, próximo à rua Três de Dezembro.

Funcionários, estudantes e professores da USP (Universidade de São Paulo) também aderiram aos protestos nesta sexta. Um pequeno grupo interditou, por volta das 7h, um ponto da rua Alvarenga, em frente ao portão 1, na zona oeste da capital paulista. Agentes da CET controlaram o trânsito no local. A via já foi liberada para a circulação de veículos.

RODOVIAS E AEROPORTOS

Várias rodovias pelo país também foram alvo de protestos.

Na Dutra, uma manifestação contra as reformas de Michel Temer é apontada como uma das causas de um engavetamento entre cinco carretas e dois carros de passeio. O acidente foi registrado na manhã desta sexta, no sentido Rio.

O protesto fechou os dois sentidos da via no km 97, em Pindamonhangaba (SP), por volta das 6h44. Segundo a Nova Dutra, concessionária que administra a estrada, a suspeita é de que os motoristas dos carros não conseguiram frear a tempo do bloqueio e se envolveram no acidente. O protesto terminou às 7h30

Cinco pessoas que estavam nos veículos ficaram feridas, sendo que uma delas ficou presa às ferragens e saiu do local em estado grave. Em razão do acidente, um congestionamento se formou na via e alcançava 9 km de filas por volta das 9h.

Na Anchieta, manifestantes segurando faixas com frases contra as reformas do governo fizeram barricadas com fogo, no km 16, da pista no sentido São Paulo, na região de São Bernardo do Campo (na região metropolitana). Segundo a Ecovias, a faixa esquerda da pista marginal foi liberada e o tráfego já flui normalmente.

Na rodovia Régis Bittencourt, protestos bloqueavam a faixa da direita e ocasionavam lentidão do km 279 ao 274, entre as regiões de Taboão da Serra e Embu das Artes, por volta das 8h40. O fluxo de carros segue pela faixa da esquerda.

Também havia uma manifestação na via de acesso ao Aeroporto Internacional de Guarulhos e apenas uma faixa estava disponível para a circulação de veículos. A Polícia Militar e Polícia Rodoviária Federal estão no local. Até às 9h30, sete voos decolaram com atraso e nenhum voo foi cancelado.

O MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) chegou no acesso aos terminais 2 e 3 de Cumbica. O grupo não tentou entrar no aeroporto, no entanto, a tropa de choque da PM estava posicionada caso houvesse uma tentativa de invasão. O Aeroporto de Guarulhos informou que os protestos na rodovia de acesso ao Aeroporto terminaram e os manifestantes já retornam para São Paulo.

No Twitter, o terminal informou que devido à greve, as operações poderiam ser afetadas. Em caso de dúvidas, o aeroporto recomendou que passageiros com voos marcados para esta sexta entrem em contato com as companhias aéreas.

As operações não foram afetadas no aeroporto de Congonhas. Os manifestantes que protestavam no saguão do aeroporto deixaram o local e caminham pela avenida Washington Luís, no sentido centro.

GRANDE SÃO PAULO

Os petroleiros do ABC Paulista e litoral também aderiram aos protestos contra as reformas do governo, mas a categoria pode aprovar a qualquer momento a extensão da greve por tempo indeterminado.

Funcionários da Recap (Refinaria Capuava), em Mauá (Grande São Paulo), não entraram para trabalhar nesta manhã. Na cidade de Cubatão, ao menos 20 trabalhadores segurando faixas estão em cada uma das portarias da refinaria Presidente Bernardes para impedir a entrada dos funcionários.

Na entrada da cidade de Santos (72 km de São Paulo), um grupo segurando faixas interditava a avenida Martins Fontes, na entrada da cidade de Santos (72 km de São Paulo). Policiais tentavam negociar com o grupo a liberação da via.

Em Campinas (93 km de São Paulo), grevistas atearam fogo em pneus e pedaços de madeira na rodovia Santos Dumont, a única rodovia de acesso dos moradores da cidade ao aeroporto internacional de Viracopos. A via foi liberada por volta das 6h.

RIO DE JANEIRO

Grupos de manifestantes bloqueiam várias vias da cidade do Rio de Janeiro, nesta manhã de sexta-feira.

Por volta das 6h30, havia um bloqueio na avenida 20 de Janeiro, na chegada ao aeroporto do Galeão.

Os protestos bloqueiam parcialmente a Linha Vermelha e a avenida Brasil, provocando 14 quilômetros de trânsito na via. Um desvio foi montado na avenida Lobo Júnior.

Também acontece uma manifestação em frente à estação de Niterói das barcas que ligam a cidade ao Rio, mas os passageiros estão conseguindo embarcar.

Alguns professores da rede estadual e de algumas escolas municipais e particulares também vão cruzar os braços, assim como técnicos e docentes da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), UFF (Universidade Federal Fluminense), UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro) e Unirio (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro).

A Secretaria de Estado de Educação afirma, no entanto, que as unidades escolares funcionarão normalmente.

Além deles, os bancários e petroleiros do Rio também decidiram parar nesta sexta-feira.

A Prefeitura recomenda que a população utilize o transporte público, que funciona normalmente nesta manhã.

BELO HORIZONTE

Em Belo Horizonte, o metrô não funciona nesta sexta. Como os ônibus são a única opção, o trânsito ficou carregado na capital mineira.

A greve também fechou as escolas estaduais e municipais, além de reduzir os serviços de saúde à escala mínima.

Haverá um ato unificado das centrais sindicais às 11h, na Praça Sete, no centro da capital.

Pela manhã, houve bloqueio de manifestantes com queima de pneus na Av. Cristiano Machado. A via foi liberada, mas segue congestionada. Um protesto organizado pela CUT (Central Única dos Trabalhadores) e por sem-teto, em Contagem (região metropolitana), também gerou reflexos na BR 381.

SALVADOR

Em Salvador, os ônibus e metrô estão circulando normalmente. Os rodoviários, contudo, bloquearam o tráfego na avenida Antônio Carlos Magalhães, em frente ao Shopping da Bahia, causando congestionamento numa das regiões mais movimentadas da cidade.

Sindicalistas também bloquearam acessos ao Polo Industrial de Camaçari, na região metropolitana, impedindo o acesso de operários.

SUL DO PAÍS

Por volta das 5h, um grupo interditou a rodovia BR-293, na região da cidade de Candiota (RS). Grevistas também queimaram pneus na pista sentido capital da rodovia BR-116, no km 2, em Porto Alegre.

Na cidade de Sarandi (RS), houve uma interdição parcial da BR-386 devido a queima de pneus, mas sem a presença de manifestantes no local, de acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal).

Em Santa Catarina, um grupo bloqueou totalmente a rodovia BR-470, em Navegantes, próximo a ao km 8, por volta das 5h30.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber