Mais lidas
Economia

Partidos aliados de Temer registraram traições na reforma trabalhista

.

RANIER BRAGON E MARIANA CARNEIRO

BRASÍLIA, DP (FOLHAPRESS) - Praticamente todos os partidos da base de apoio a Michel Temer registraram traições na votação da reforma trabalhista, na noite desta quarta-feira (26).

A começar do próprio PMDB de Michel Temer. Sete deputados votaram contra o projeto do Palácio do Planalto, entre eles o ex-ministro de Dilma Rousseff Celso Pansera (RJ).

Proporcionalmente, as maiores infidelidades ocorreram nas bancadas do Solidariedade (8 votos a 5 contra o governo) e do PSB (16 votos contra e 14 a favor), partido que fechou questão contra as reformas de Temer.

No PPS, que tem dois ministérios no governo Temer, a Defesa e a Cultura, 6 deputados votaram a favor da reforma e 3 contra, entre eles o líder da bancada, Arnaldo Jordy (PA). No PP do líder do governo, Aguinaldo Ribeiro (PB), 9 votos foram contra a reforma e 34, a favor.

No PR, que controla o Ministério dos Transportes, houve 7 votos contra a reforma, entre eles Tiririca (SP).

Os partidos mais fiéis da base foram o DEM, com nenhuma traição, e o PSDB, que deu 43 votos a favor da reforma e apenas um contra, o de Geovania de Sá (SC).

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber