Mais lidas
Economia

ATUALIZADA - Operação da PF investiga transações entre Banco Panamericano e Caixa

.

BELA MEGALE

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal deflagrou nesta quarta (19) a Operação Conclave, que investiga suposta aquisição fraudulenta de ações do Banco Panamericano pela Caixa Participações.

O inquérito apura a responsabilidade de gestores da Caixa Econômica Federal no negócio. Ele foca também possíveis prejuízos causados a correntistas e clientes do banco.

Estão sendo cumpridos 46 mandados de busca e apreensão expedidos pela 10ª Vara Federal de Brasília -30 em São Paulo, seis em Brasília, um em Belo Horizonte, um em Recife e dois em Londrina.

Há mandados de busca e apreensão ligados a André Esteves e ao Banco BTG Pactual.

A Procuradoria do Distrito Federal, porém, não confirma bloqueio de valores dos investigados. A PF informou em nota que a decisão judicial determinou o bloqueio de contas bancárias dos alvos no valor total de R$ 1,5 bilhão.

A investigação apura a atuação de agentes públicos responsáveis pela assinatura de pareceres que basearam a compra e venda de ações do Panamericano pela Caixa Participações, com a posterior transação de ações do Panamericano pelo Banco BTG Pactual.

Também investiga o núcleo de consultorias, contratadas para emitir pareceres a legitimar os negócios, e o núcleo de empresários que, "conhecedores das situações de suas empresas e da necessidade de dar aparência de legitimidade aos negócios, contribuíram para os crimes em apuração."

O nome da Operação se deve à forma sigilosa com que foram tratadas as negociações para transação ocorrida entre o Banco Panamericano e a Caixa. Ela faz alusão ao ritual que ocorre a portas fechadas entre cardeais na Capela Sistina, no Vaticano, para escolher um novo Papa para a Igreja Católica.

A reportagem contatou os envolvidos, mas ainda não obteve retorno.

Em outubro, o Ministério Público Federal de São Paulo pediu a condenação de oito ex-diretores e o chefe de contabilidade do Banco Panamericano por crimes financeiros e lavagem de dinheiro, cometidos entre 2007 e 2010.

OUTRO LADO

A assessoria de imprensa da Caixa afirmou que a Caixa Participações "está em contato permanente com as autoridades, prestando irrestrita colaboração com os trabalhos" e que esse procedimento continuará sendo adotado pela empresa.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber