Mais lidas
Economia

BC indica ritmo mais forte de corte nos juros e prevê inflação sob controle

.

MAELI PRADO

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em um cenário de inflação sob controle e fraca atividade econômica, o Banco Central fala em "intensificação moderada" do ritmo de cortes da taxa de juros básica da economia, a Selic, no seu Relatório Trimestral de Inflação, publicado nesta quinta-feira (30).

Na última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) do BC, a taxa básica foi reduzida em 0,75 ponto percentual, para 12,25% ao ano.

"A consolidação do cenário de desinflação mais difundida, que abrange os componentes da inflação mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária, fortalece a possibilidade de uma intensificação moderada do ritmo de flexibilização da política monetária, em relação ao ritmo imprimido nas duas últimas reuniões do Copom".

O BC revisou sua previsão para a inflação oficial de 2017 de 4,4% para 3,9%. A variação de preços prevista está abaixo do centro da meta de inflação para o ano, de 4,5%.

Em 2018, de acordo com projeção do relatório, a expectativa é que o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) fique em 4,3%.

Além da inflação sob controle, o BC vê a economia mais desaquecida, já que reviu sua projeção para o PIB de 0,8%, no último relatório, em dezembro, para 0,5%.

A projeção da autoridade monetária para a indústria caiu de um crescimento de 0,6%, no último relatório, em dezembro, para uma queda de 0,1% agora.

"[É uma] redução consistente com a retração de 2,7% prevista para a construção civil e com os crescimentos esperados para as indústrias extrativa (0,5%) e de transformação (0,6%), e para a distribuição de eletricidade, gás e água (2,0%)", afirma o BC no relatório.

A autoridade monetária, que apostava em alta da atividade do setor de serviços de 0,4% em dezembro, reduziu sua previsão para 0,1% no relatório desta quinta. Para o comércio, a perspectiva é de crescimento de 0,7%.

A projeção para o consumo das famílias, que era de alta de 0,4% em dezembro, foi revisada para um crescimento de 0,5% -em 2016, esse indicador caiu 5,2%, o pior resultado da série histórica. "Esse cenário repercute o ambiente de aumentos da renda real e dos indicadores de confiança, os impactos da liberação dos recursos das contas inativas do FGTS e as perspectivas de estabilização do mercado de trabalho, no segundo semestre", diz o texto.

Com o corte de despesas que o governo vem promovendo para cumprir a meta fiscal de 2017, de um deficit primário de R$ 139 bilhões, o consumo do governo deve ter aumento de 0,2%, ante uma perspectiva anterior de 0,5% de alta.

Os investimentos cairão 0,3%, na avaliação do BC -em dezembro, no último relatório, a projeção era de alta de 0,3%. Isso reflete "a piora no cenário esperado para construção civil e para absorção de bens de capital", diz o BC.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber