Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Economia

ATUALIZADA - China reabriu mercado para carne brasileira, diz Temer

.

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Segundo maior importador da carne brasileira, a China reabriu o mercado para o produto do país, informou neste sábado (25) o Palácio do Planalto.

"A decisão da China de reabrir o seu mercado à proteína animal produzida no Brasil é o reconhecimento da confiabilidade de nosso sistema de defesa agropecuária", disse o presidente Michel Temer, por meio de nota.

Os chineses, porém, segundo o governo brasileiro, mantiveram o embargo às 21 unidades de frigoríficos que estão sendo investigadas pela Operação Carne Fraca, da PF.

A mesma decisão foi tomada neste sábado pelos chilenos, nono maior mercado das exportações do país, especialmente da carne bovina. À reportagem, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse que a mudança de posicionamento por parte da China é resultado de um esforço do governo ao longo da semana, quando passou horas em videoconferência com vários países para tentar minimizar o impacto da ação da PF.

"Inicialmente, as notícias veiculadas eram muito ruins, colocavam em xeque o sistema sanitário brasileiro. Enquanto a investigação era sobre desvio de pessoas, acabou sendo dado um enfoque na qualidade do produto", afirmou o ministro.

Segundo Blairo, apenas as unidades suspensas pelo Brasil não poderão vender ao parceiro, que comprou no ano passado US$ 1,75 bilhão em carne brasileira, praticamente empatado com a União Europeia (US$ 1,76 bilhão).

Além disso, a China, que suspendeu as compras brasileiras desde segunda (20) também bloqueará e recolherá o produto cujo certificado foi assinado por técnicos investigados na Operação Carne Fraca, da Polícia Federal.

Na sexta-feira (24), o ministério divulgou a lista de países que impuseram restrições à carne exportada pelo Brasil.

A relação trouxe 13 países, incluindo a China, que suspenderam de forma temporária ou preventiva as importações do Brasil: Hong Kong, China, Chile, Argélia, Jamaica, Trinidad e Tobago, Panamá, Qatar, México, Bahamas, São Vicente e Granadinas, Granada e São Cristóvão e Névis.

Outros nove países adotaram algum tipo de restrição ao produto brasileiro.

Para Blairo, a reação destes países foi normal. "É um pré-requisito do país embargar qualquer alimento que prejudique a saúde, que coloque em risco a saúde. Na posição contrária, o Brasil tomaria a mesma posição."

Ele afirmou que prosseguirá em conversas com os demais países.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber