Mais lidas
Economia

De volta, Padilha tenta conter base aliada em mudanças na Previdência

.

GUSTAVO URIBE

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Com resistências na base aliada ao projeto original da reforma previdenciária, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, retornou nesta segunda-feira (13) ao cargo com o desafio de evitar mudanças importantes na proposta enviada pelo Palácio do Planalto.

O ministro, o principal articulador da iniciativa junto ao Congresso Nacional, retornou a Brasília após três semanas afastado por causa de cirurgia de retirada da próstata. No período, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ficou responsável pelas negociações com deputados e senadores.

Nesta segunda-feira, ele fará reuniões com integrantes da Casa Civil e promoverá encontro no final da tarde com líderes do governo na Câmara e no Senado para discutir a estratégia governamental para a análise da proposta.

O presidente Michel Temer tem dito que não abre mão da idade mínima na proposta discutida. Nos bastidores, a equipe presidencial admite que, para manter os alicerces principais da reforma, o governo poderá aceitar o fim da isenção tributária concedida a entidades filantrópicas e a manutenção de tratamento especial para a aposentadoria de policiais.

A nova fórmula de cálculo proposta para a aposentadoria, que prevê 49 anos de contribuição para ter direito ao benefício integral, também é apontada por integrantes da equipe política como um ponto em que o governo pode ceder. Eventuais mudanças, no entanto, enfrentariam resistência da equipe econômica.

Preocupado com o risco de traições nas votações da reforma, Temer mandou instalar um gabinete de monitoramento dos deputados governistas, para antecipar focos de insatisfação entre aliados.

O mesmo procedimento foi adotado na votação do impeachment da proposta do teto de gastos, quando o presidente recebeu pessoalmente parlamentares indecisos ou que indicavam postura contra à orientação do Planalto.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber