Economia

Novo pacote de concessões tem apenas R$ 17 bi em novos projetos

.

JULIO WIZIACK, GUSTAVO URIBE E MARINA DIAS

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo anunciou nesta terça-feira (7) mais 69 projetos de concessão que serão privatizados ao longo dos próximos cinco anos trazendo investimentos superiores a R$ 45 bilhões, mas a maior parte desses recursos só deve entrar na economia depois de 2018, quando termina o mandato do presidente Michel Temer.

Esses projetos fazem parte do segundo pacote do PPI (Programa de Parcerias em Investimentos) conduzido pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, que não participou do anúncio.

Somente a BR-101, em Santa Catarina, três terminais portuários, dois em Paranaguá (SP) e um em Itaqui (MA), e 35 lotes de linhas de transmissão são novos. Juntos, eles devem gerar investimentos de cerca de R$ 17 bilhões. Os demais são novos investimentos em contratos já existentes ou relicitações. Esses investimentos serão feitos durante a vigência dessas concessões, entre 25 e 30 anos.

Boa parte dos projetos anunciados se refere a concessões que o governo vai relicitar, caso de três rodovias (Nova Dutra, CRT e Concer) e à renovação antecipada de contratos, caso dos terminais de carga e de 5 ferrovias (ALL, MRS, FCA, EFVM, EFC). Ao todo, eles somam cerca de R$ 25 bilhões em investimentos.

Catorze concessões estaduais e municipais de saneamento foram incluídas nessa rodada de projetos, mas esses investimentos ainda não foram estimados porque os projetos estão em fase de estudo no BNDES, segundo a presidente do banco estatal, Maria Silvia Bastos.