Mais lidas
Economia

PIB da China avança 6,7% em 2016, menor crescimento em 26 anos

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A China, segunda maior economia do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, cresceu 6,7% em 2016, no menor ritmo desde 1990. Em 2015, o país havia se expandido em 6,9%.

Apesar do recorde negativo, o índice ficou dentro da meta do governo, que previa um intervalo entre 6,5% e 7%.

O país, no entanto, apresentou o primeiro crescimento trimestral em dois anos, sob impulso dos gastos do governo e do aumento do crédito.

No quarto trimestre, o PIB avançou 6,8% em relação ao mesmo período de 2015. No terceiro trimestre, o crescimento havia sido de 6,7%.

O crescimento foi sustentado por gastos governamentais mais altos e empréstimos bancários recordes, dando ao país um impulso para o que deve ser um ano turbulento.

"Não esperamos que isso (PIB do quarto trimestre) se prolongue muito por 2017, quando uma desaceleração no mercado imobiliário e medidas para lidar com a escassez de oferta no setor de commodities devem pesar novamente sobre a demanda e a produção", disse o gerente regional do Economist Intelligence Unit, Tom Rafferty.

Neste ano, a China enfrenta pressão para aliviar seu mercado imobiliário e precisa lidar também com o impacto dos esforços do governo em reformas estruturais.

O setor imobiliário ajudou a impulsionar o crescimento mais uma vez no quarto trimestre, com o investimento imobiliário subindo surpreendentes 11,1% em dezembro contra 5,7% em novembro, mesmo com os preços mostrando sinais de enfraquecimento em algumas importantes cidades.

Os gastos do consumidor também foram fortes, com as vendas no varejo subindo 10,9% em dezembro em relação ao ano anterior, o ritmo mais rápido em um ano, diante das vendas mais fortes de carros e cosméticos.

O investimento em ativo fixo avançou 8,1%, ritmo mais lento desde 1999, uma vez que o investimento de empresas privadas desacelerou de novo em dezembro na base mensal. O investimento em ativo fixo no setor privado caiu de 4,93% em novembro para 4,07%, de acordo com cálculos da Reuters com base em dados da agência de estatísticas.

EUA

O governo chinês precisará enfrentar a partir deste ano uma relação potencialmente complicada com a nova administração americana. Nesta sexta-feira (20), Donald Trump toma posse nos EUA, sob os olhos atentos de Pequim, preocupada com o discurso protecionista do republicano, que ameaça impor tarifas elevadas de importação aos produtos chineses.

Nesta semana, em Davos, no Fórum Econômico Mundial, o líder chinês, Xi Jinping, fez um discurso em favor da globalização e criticou pontos de política internacional defendidos por seu futuro colega norte-americano.

Por outro lado, o Brasil acompanha com atenção o desempenho da economia chinesa. O país é o maior comprador no exterior dos produtos brasileiros -no ano passado, foram US$ 35 bilhões, ou 19% do total das exportações.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber