Economia

ATUALIZADA - Fiat Chrysler é acusada de fraudar emissão de poluentes nos EUA

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Fiat Chrysler foi acusada nesta quinta (12) pelas autoridades dos EUA de ter manipulado motores de 104 mil veículos movidos a diesel para minimizar o nível real de emissão de poluentes, usando uma estratégia similar à da Volkswagen.

O grupo ítalo-americano teria instalado em seus modelos Jeep Grand Cherokee e picapes Dodge Ram 1500, fabricados entre 2014 e 2016, softwares para falsificar os resultados do teste antipoluição para passá-las como "mais verde", disse a EPA (Agência de Proteção do Ambiente) dos EUA.

"O fato de esconder um programa que afeta as emissões do motor constitui uma grave violação da lei pode resultar em poluição do ar que respiramos", disse Cynthia Giles, uma das funcionárias da EPA em um comunicado.

Segundo a agência, os veículos envolvidos têm impulsionado quantidade de óxido de nitrogênio, um gás atribuído a vários problemas respiratórios.

A Fiat Chrysler imediatamente rejeitou as acusações em uma declaração, na qual ele negou ter instalado em seus veículos "programas manipuladores".

"FCA dos EUA está ansioso para mostrar (...) que a sua estratégia de controle de emissões é devidamente fundamentada e não se assemelha a um 'software manipulador'", disse o grupo em um comunicado, no qual ele diz repetidamente ter interesse em explicar ao "futuro governo" americano.

Em Wall Street, o título da Fiat Chrysler foi suspenso depois de cair mais de 16% após os primeiros rumores.

Em Milão, a ação da Fiat Chrysler EUA caiu cerca de 18% após o anúncio.

VOLKSWAGEN

A Volkswagen assumiu culpa por três crimes e pagará US$ 4,3 bilhões em indenizações para encerrar uma investigação do Departamento da Justiça dos Estados Unidos sobre o escândalo relacionado às emissões de poluentes por seus veículos diesel em que a montadora alemã de automóveis está envolvida há 15 meses.

O acordo anunciado nesta quarta-feira (11) surge mais de uma década depois que a Volkswagen decidiu criar um software especial para derrotar os testes de emissões de poluentes requeridos pela EPA dos Estados Unidos, em lugar de sacrificar potência em um novo motor diesel.

"Por anos, a Volkswagen fez publicidade de seus veículos definindo-os como 'o diesel limpo'. Nossa investigação revelou que eles são exatamente o contrário disso", disse Loretta Lynch, secretária da Justiça dos Estados Unidos.

A Volkswagen admitiu que mais de 11 milhões de veículos em todo o mundo haviam sido equipados com o "dispositivo manipulador" que reduzia as emissões de óxido de nitrogênio de seus motores durante testes de laboratório. Quando as autoridades regulatórias começaram a suspeitar dos resultados, os executivos da empresa passaram a mentir e destruíram documentos.