Mais lidas
Economia

Fiat Chrysler é acusada de fraudar emissão excessiva de poluentes nos EUA

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Fiat Chrysler foi acusada nesta quinta (12) pelas autoridades dos EUA de ter manipulado motores de 104 mil veículos movidos a diesel para minimizar o nível real de emissão de poluentes, usando uma estratégia similar à da Volkswagen.

O grupo ítalo-americana teria instalado em seus modelos Jeep Cherokee e picapes Dodge Ram 500, fabricados entre 2014 e 2016, softwares para falsificar os resultados do teste antipoluição para passá-las como "mais verde", disse a Agência de Proteção do Ambiente dos EUA (EPA).

"O fato de esconder um programa que afeta as emissões do motor constitui uma grave violação da lei pode resultar em poluição do ar que respiramos", disse Cynthia Giles, uma das funcionárias da EPA em um comunicado.

Segundo a agência, os veículos envolvidos têm impulsionado óxido quantidade de nitrogênio (NOx), um gás atribuído a vários problemas respiratórios.

A Fiat Chrysler imediatamente rejeitou as acusações em uma declaração, na qual ele negou ter instalado em seus veículos "programas manipuladores".

"FCA dos EUA está ansioso para mostrar (...) que a sua estratégia de controle de emissões é devidamente fundamentada e não se assemelha a um "programa de manipulador ", disse o grupo em um comunicado, no qual ele diz repetidamente têm interesse em explicou ao "futuro governo" americano.

Em Wall Street, o título da Fiat Chrysler foi suspenso depois de cair mais de 16% após os primeiros rumores.

Em Milão, a ação da Fiat Chrysler EUA caiu cerca de 18% após o anúncio.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber