Mais lidas
Economia

Tesouro não espera fuga de investidor após rebaixamento da nota de crédito

.

SOFIA FERNANDES
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Tesouro Nacional não espera uma debandada de investidores nem grande impacto no custo da dívida brasileira após a terceira agência de classificação de risco ter retirado do Brasil a credencial de lugar seguro para se investir.
De acordo com José Franco, coordenador-geral de Operações da Dívida, o impacto do rebaixamento da nota de crédito do país feita pela Moody's nesta quarta-feira (24) na gestão da dívida será limitado. "Os investidores já se antecipam de certa maneira, o que tende que não haja movimentos bruscos nos preços."
Franco defende que a base de investidores que compram títulos do governo brasileiro é diversificada, sendo mais de 75% dela baseada no país.
"Se um tipo de investidor, geralmente não residente, por uma razão resolver reduzir sua exposição no Brasil, haverá outros tipos de investidores que vão aumentar a exposição."
De acordo com o coordenador, que em breve será empossado como subsecretário da Dívida Pública, diante de um cenário de redução global das taxas de juros, o Brasil é um local atrativo para investidores que buscam mais retorno, a um risco maior.
Os maiores detentores da dívida pública são instituições financeiras (23,3%), Previdência (22,5%), fundos de investimento (19,7%) e não residentes no país (18,9%).
Segundo Franco, o PAF (Plano Anual de Financiamento), documento de planejamento da dívida ao longo do ano, já trabalhava, entre outros cenários, com a possibilidade de mais esse rebaixamento da nota de crédito brasileira.
"O Tesouro está preparado para gerir a dívida pública num ambiente com grau de investimento menor. Isso já estava contemplado no PAF", disse Franco.
O rebaixamento da nota de crédito brasileira nesta manhã pela Moody's fez com o que o país perdesse o último selo de bom pagador que detinha entre as três maiores agências de classificação de risco do mundo.
A nota do país foi cortada em dois degraus, de Baa3 -último nível de grau de investimento - para Ba2. A perspectiva é negativa, o que indica que novo rebaixamento pode ocorrer nos próximos meses.
O Ministério da Fazenda comentou, em nota, que o corte não muda o compromisso do país com o ajuste fiscal e que o rebaixamento será temporário.
DÍVIDA
O Tesouro Nacional divulgou nesta quarta-feira que a Dívida Pública Federal caiu 1,54% em termos nominais de dezembro para janeiro, somando R$ 2,7 trilhões.
Em janeiro, as emissões de papéis da Dívida Pública Federal corresponderam a R$ 72,1 bilhões, enquanto os resgates somaram R$ 150,5 bilhões, o que resultou em resgate líquido de R$ 78,4 bilhões.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber