Facebook Img Logo
Mais lidas
Economia

Presidente do BC sinaliza esforço menor para reduzir inflação em 2016

.

EDUARDO CUCOLO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Depois de passar algumas semanas sinalizando uma ação mais dura no combate à inflação em 2016, o Banco Central dá sinais de que fará um esforço menor para segurar a alta de preços no próximo ano.
Durante audiência pública na CAE (Comissão de Assuntos Econômicos do Senado) nesta terça-feira (15), o presidente do BC, Alexandre Tombini, mandou um novo recado ao mercado.
Disse que o BC adotará as medidas necessárias para restringir "a inflação aos limites de tolerância estabelecidos pelo CMN" (Conselho Monetária Nacional), que é de 6,5%. Até a semana passada, o discurso da instituição era de que o BC agiria "de modo a trazer a inflação o mais próximo possível do centro da meta", de 4,5%, no próximo ano. Em relação a 2017, Tombini manteve a promessa de chegar aos 4,5% de inflação em 2017.
Para este ano, o presidente do BC afirmou que os dados apontam uma inflação de 10,5%. As projeções de mercado, segundo a pesquisa Focus do BC, são de um IPCA de 10,6% em 2015 e 6,8% em 2016.
Tombini foi questionado por parlamentares da base do governo e da oposição sobre a decisão do BC de manter os juros em 14,25% ao ano diante da estagnação econômica. Afirmou que a alta dos juros não tem como objetivo compensar o aumento do dólar e de tarifas, mas reduzir os repasses desses aumentos de custos para os demais preços da economia.
O presidente do BC disse ainda que os juros de mercado têm subido por conta de outros fatores, com as incertezas econômicas, e estão próximos de 18% ao ano.
"A nossa política monetária está sendo adotada para evitar que se propague a inflação de curto prazo. Tivemos bastante sucesso até agosto", afirmou. Após aquele mês, segundo Tombini, as projeções de inflação do mercado para 2016, 2017 e 2018 subiram.
Sobre os custos do ajuste nas políticas fiscal e monetária, afirmou que há um descasamento temporal entre as medidas e seus efeitos, o que "faz com que os custos sejam percebidos pela sociedade antes dos seus benefícios, levando a certo questionamento" sobre a necessidade dessas medidas."
"Essa percepção inicial adversa pode levar ao bloqueio, ainda que parcial, das propostas de ajuste", afirmou. "Esse atraso poderia comprometer fundamentos ainda sólidos da economia brasileira."
EUA
Em seu discurso no Senado, Tombini reafirmou ser difícil prever a reação do mercado ao início do processo de aumento nos juros nos EUA, esperado para esta quarta-feira (16).
"O início do processo de normalização das condições monetárias nos Estados Unidos, que pode ocorrer na reunião de amanhã do FED, tem levado ao fortalecimento do dólar norte-americano", afirmou.
"Ainda que a expectativa seja de que esse ciclo de aumento da taxa de juros americana será gradual e cauteloso, trata-se de processo complexo para o qual não se consegue prever a reação efetiva dos mercados."

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber