Facebook Img Logo
Mais lidas
Economia

Após falar com bancos, ministra se diz tranquila com financiamento da safra

.

ISABEL VERSIANI
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após reunião com produtores agrícolas e representantes dos bancos privados e públicos nesta terça-feira (25) para discutir o financiamento da safra, a ministra Kátia Abreu (Agricultura) avaliou que, apesar da maior cautela dos bancos diante do cenário de incerteza econômica, não há, no geral, falta de recursos para o setor.
A ministra reiterou que, depois de um primeiro semestre de retração do crédito para o custeio e comercialização da produção, os financiamentos tiveram uma alta expressiva em julho, alavancados pelo aumento dos desembolsos do Banco do Brasil.
"Estão todos tranquilos no sentido de esperar que essa tendência de julho se repita no mês de agosto", afirmou Kátia Abreu a jornalistas.
Ainda assim, a ministra pediu aos bancos que levantem informações mais detalhadas sobre o desempenho do crédito por produto e por região para identificar eventuais gargalos. Uma nova reunião foi marcada para o final de setembro.
A iniciativa de convocar os bancos foi tomada diante de reclamações feitas por produtores sobre dificuldades de acesso ao crédito a menos de um mês do início do plantio da nova safra.
Abreu disse que não pode pressionar os bancos privados a reduzir a cobrança de garantias dos produtores, e que considera normal que, em um momento de ajustes na economia, as instituições fiquem mais exigentes na oferta de financiamento.
"De que forma a ministra da Agricultura vai interferir na iniciativa privada? Como eu posso ligar para um presidente de um banco privado e pedir que ele fique menos exigente com as regras e com as garantias? Não posso fazer isso. Agora, em relação aos bancos públicos não estou vendo redução de financiamento", afirmou Kátia Abreu.
O presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Márcio Lopes de Freitas, também afirmou que não há escassez de crédito, mas disse que a reunião com os bancos foi importante para reduzir a insegurança dos produtores no cenário de maior risco econômico.
O vice-presidente de Agronegócios do Banco do Brasil, Osmar Dias, afirmou que a cobrança de garantias "é um gesto de responsabilidade de quem gere um banco público" e informou que as operações de crédito rural do banco para o custeio aumentaram 93% em julho.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber