Facebook Img Logo
Mais lidas
Economia

Com maior procura e sem geração de vagas, desemprego vai a 8,3% no 2º tri

.

BRUNO VILLAS BÔAS
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A taxa de desemprego subiu para 8,3% no segundo trimestre deste ano, o maior índice da série histórica da Pnad Contínua, iniciada em 2012 pelo IBGE. Os cálculos seguem a nova metodologia, em que resultados trimestrais são apresentados mensalmente.
No mesmo período do ano passado, a taxa havia sido de 6,8%. No primeiro primeiro trimestre deste ano, a taxa era de 7,9%.
O número de desempregos no país cresceu 23,5% no segundo trimestre deste ano, na comparação ao mesmo período do ano passado, um incremento de 1,587 milhão de pessoas. Frente ao primeiro trimestre, o aumento foi de 5,3%, mais 421 mil.
Um sinal de que a maior procura foi a responsável pelo aumento do desemprego é o crescimento da força de trabalho, formada por pessoas empregadas ou desempregadas que estavam efetivamente procurando emprego.
Esse contingente de trabalhadores cresceu 1,8% no segundo trimestre deste ano, em 1,747 milhão de pessoas. São 100,5 milhões de brasileiros formando a força de trabalho do país.
A procura por emprego cresce, entre outros fatores, com a chegada de jovens ao mercado de trabalho. São pessoas que adiaram a chegada ao mercado apoiadas na renda familiar e que agora precisam trabalhar para complementar o orçamento de casa.
O rendimento real habitual dos trabalhadores foi de R$ 1.882 no segundo trimestre deste ano, queda de 0,5% na comparação ao primeiro trimestre deste ano. Frente ao mesmo período do ano passado houve alta, de 1,4%.
Assim, o pessoal fora da força de trabalho -que tem idade para trabalhar, mas não está empregada e nem procura emprego- encolheu em 307 mil no segundo trimestre deste ano, para 63,5 milhões de pessoas.
A procura por emprego é frustrada, no entanto, pela menor geração de vagas. A população ocupada foi de 92,2 milhões de pessoas abril a junho deste ano, um incremento de 159 mil pessoas na comparação ao mesmo período do ano passado, ou apenas 0,2% de alta.




O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber