Facebook Img Logo
Mais lidas
Economia

Rio, Goiânia, Curitiba e Porto Alegre têm inflação acima de 10%

.

BRUNO VILLAS BÔAS
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Os moradores das regiões metropolitanas de quatro capitais brasileiras -que somadas têm 21 milhões de habitantes- já convivem com uma inflação de dois dígitos nos últimos 12 meses.
Curitiba, Rio de Janeiro, Goiânia e Porto Alegre são as cidades com inflação acima de 10%, informou o IBGE nesta sexta-feira (7). Na média nacional, a inflação foi de 9,56% em 12 meses.
Em Curitiba, os moradores da região metropolitana viram os preços de bens e serviços subirem 10,63% na média, considerando a cesta de consumo local.
Na capital do Paraná o reajuste de 50% no ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) cobrado no Paraná foi um dos vilões da inflação.
No Rio de Janeiro, que se prepara para receber as Olimpíadas no próximo ano, o aumento dos preços também foi salgado: 10,18% nos últimos 12 meses.
"Os preços subiram na cidade na época da Copa do Mundo e se mantiveram altos. Era a maior taxa de inflação até ser passado por Curitiba", disse Eulina Nunes, técnica do IBGE.
Também acumulam taxa de dois dígitos Goiânia (10,26%) e a região metropolitana de Porto Alegre (10,19%).
Em comum, as quatro cidades tiveram, além do aumento da tarifa de energia elétrica, forte avanço nos preços dos alimentos. Todos tiveram taxas acima de 11%.
Belo Horizonte, Brasília, Salvador e Vitória tiveram inflação na casa de 8%. Outras cinco regiões acompanhadas pelo IBGE tiveram inflação acima de 9%.
A região metropolitana de São Paulo não está muito atrás, ainda que com uma inflação de um dígito. Em 12 meses, os preços tiveram um incremento médio de 9,68%.
Como driblar a inflação

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber