Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Economia

Banco Central prevê retração de 1,1% na economia e inflação de 9% em 2015

.

EDUARDO CUCOLO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Banco Central espera uma retração de 1,1% da economia brasileira em 2015. Há três meses, a instituição projetava queda do PIB (Produto Interno Bruto) de 0,5%.
A instituição também elevou a projeção de inflação medida pelo IPCA (índice de preços ao consumidor) para o ano de 7,9% para 9%, maior valor desde 2003 (9,3%), acima do teto da meta, de 6,5%.
Para 2016, a previsão passou de 4,9% para 4,8%. O centro da meta é 4,5%.
As estimativas consideram a taxa básica de juros atual, de 13,75% ao ano, e um dólar cotado a R$ 3,10.
Os dados fazem parte do Relatório Trimestral de Inflação do BC, divulgado nesta quarta-feira (24).
A instituição tem sinalizado que continuará a subir a taxa básica de juros até que sua projeção para o IPCA de 2016 esteja em 4,5%, que é o centro da meta de inflação.
A meta tem um intervalo de tolerância que vai até 6,5%. Quando esse valor é superado, o BC precisa divulgar uma carta aberta ao Ministério da Fazenda para explicar o motivo de não ter cumprido o objetivo fixado pelo CMN (Conselho Monetário Nacional), formado por BC, Fazenda e Ministério do Planejamento.
A chance de estouro da meta em 2015, segundo o BC, é de cerca de 99%.
O BC também projetou a inflação utilizando as expectativas do mercado para juros e câmbio. As previsões dos analistas são de um dólar mais caro ao longo do período e de uma taxa básica que chegaria a 14% ao ano no fim de 2015, para depois cair para 12% em 2016.
Nesse caso, a inflação ficaria em 9,1% no fim de 2015, 5,1% em dezembro de 2016 e 4,8% em junho de 2017, segundo cálculo do BC.
DESEMPREGO
Apesar dos dados recentes que mostram aumento do desemprego e queda na renda, o BC afirma que ainda prevalece risco "significativo" de aumentos de salários incompatíveis com o crescimento da produtividade, com repercussões negativas sobre a inflação.
"Moderação salarial constitui elemento-chave para a obtenção de um ambiente macroeconômico com estabilidade de preços", diz o BC no relatório. "A dinâmica salarial ainda permanece originando pressões inflacionárias de custos."
Segundo o BC, depois de um período necessário de ajustes, o ritmo de atividade tende a se intensificar, na medida em que a confiança de firmas e famílias se fortalecer.
Esses ajustes, entre eles a alta dos juros, são necessários para que "as taxas de crescimento do PIB potencial e efetivo retomem patamares mais elevados".
O BC diz ainda que aumentou a possibilidade de queda da inflação, hoje em 8,47%, para 4,5% no final de 2016. "Contudo, os avanços alcançados no combate à inflação (...) ainda não se mostram suficientes. Nesse contexto, o Copom reafirma que a política monetária deve manter-se vigilante", diz a instituição indicando que haverá novos aumentos de juros.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber