Facebook Img Logo
Mais lidas
Economia

Sobe participação de produtos industrializados importados no consumo brasileiro

.

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Apesar de as importações brasileiras terem caído de forma expressiva no primeiro trimestre, a alta do dólar fez aumentar a participação dos produtos industrializados estrangeiros no consumo nacional neste período. É o que aponta indicador divulgado pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) nesta quinta-feira (14).
O chamado coeficiente de penetração das importações, que mede essa participação, subiu para 22,35% no primeiro trimestre, alta de 0,6 ponto percentual em relação ao observado no mesmo período do ano anterior.
Nos primeiros três meses de 2015, as importações totais do país caíram 13%, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Considerando apenas os produtos industrializados, a queda foi de 11%.
Renato da Fonseca, gerente de pesquisa e competitividade da CNI, afirmou que o câmbio explica a aparente contradição entre recuo das importações e aumento da participação dos importados.
"O valor das importações em dólar caiu, mas o gasto em reais aumentou por causa da desvalorização cambial", afirmou.
Sua expectativa é que, neste segundo trimestre, em que o câmbio tem apresentado maior estabilidade, haja uma queda do peso das importações no consumo nacional.
O coeficiente das exportações da indústria ficou estável no primeiro trimestre, em 19,1%. Para Fonseca, o indicador mostra a dificuldade da produção nacional em competir no mercado global, mesmo com o câmbio mais favorável às vendas externas.
"O câmbio dá um refresco, mas temos que avançar mais na redução do custo Brasil", afirmou o economista.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas de Economia

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber