Economia

Distúrbios podem atrasar obra da usina de Jirau

Da Redação ·

Os distúrbios que paralisaram ontem as obras da usina hidrelétrica de Jirau, em Rondônia, devem comprometer o cronograma do empreendimento. A afirmação foi feita pelo presidente do Energia Sustentável do Brasil, consórcio construtor da usina, Victor Paranhos, que ainda não tinha informações suficientes para avaliar os prejuízos provocados por uma série de saques e incêndios que destruíram dezenas de ônibus usados no transporte de trabalhadores e parte da estrutura de alojamentos do canteiro de obras da hidrelétrica, no Rio Madeira. "Durante a noite houve uma invasão pelo mato, com pessoas encapuzadas. Hoje (ontem), os trabalhadores tentaram voltar ao trabalho e houve nova invasão. A tropa da Polícia Militar perdeu o controle. O comandante local tentou achar uma liderança para dialogar com a outra parte, foram reunidas algumas pessoas num refeitório, mas eles não se entendiam", contou o presidente do consórcio, que reúne GDF Suez e Eletrobras. Depois de participar de uma cerimônia na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) na tarde de ontem, o executivo afirmou que não havia descontentamento aparente entre os funcionários ou pauta de reivindicações pendente. "É preocupante porque não sabemos qual é a motivação. Não há sequer uma liderança", afirmou. Paranhos lamentou a paralisação das obras no momento em que estava perto de ser concluída a operação de desvio do Rio Madeira, com 95% do vertedouro pronto. Segundo ele, a previsão de início de operação da usina em março do ano que vem poderá ser revista. Em meados de junho, trabalhadores da usina de Santo Antônio, que junto com a usina de Jirau formam o complexo do Rio Madeira, decidiram cruzar os braços para reivindicar reajuste salarial e pagamento de horas extras. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

continua após publicidade