Economia

Déficit comercial sobe 15,1% em janeiro nos EUA

Da Redação ·
O déficit comercial dos Estados Unidos cresceu 15,1% em janeiro, para US$ 46,34 bilhões, ante os US$ 40,26 bilhões registrados em dezembro do ano passado, informou hoje o Departamento do Comércio. O déficit de janeiro foi o maior em sete meses e refletiu o aumento nos preços das importações do petróleo, que zerou o efeito da alta das exportações. Economistas esperavam um déficit comercial de US$ 41,5 bilhões em janeiro. O déficit ajustado à inflação - que os economistas utilizam para medir o impacto do comércio no Produto Interno Bruto (PIB) - subiu para US$ 49,51 bilhões em janeiro, ante US$ 46,05 bilhões em dezembro. As exportações norte-americanas cresceram 2,7% em janeiro, para o recorde de US$ 167,74 bilhões, enquanto as importações saltaram 5,2%, para US$ 214,08 bilhões. O valor das importações de petróleo atingiu US$ 24,51 bilhões em janeiro, ante US$ 22,54 bilhões em dezembro. O preço médio do barril saltou US$ 4,56, para US$ 84,34, o maior valor desde outubro de 2008. Em termos de volume, as importações subiram para 290,67 milhões de barris, ante 282,58 milhões de barris em dezembro. De acordo com o Departamento do Comércio, o déficit comercial dos EUA com a China subiu 12,5%, para US$ 23,27 bilhões em janeiro. No período, as importações subiram 1,8%, para US$ 31,35 bilhões, e as exportações caíram 20,2%, para US$ 8,08 bilhões. O déficit dos EUA com a maior parte dos parceiros, incluindo México, Canadá e zona do euro (que reúne os 17 países que utilizam o euro como moeda), permaneceu relativamente estável. O déficit com o Japão caiu mais de 15%, para US$ 4,98 bilhões. Já o déficit com os países membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) subiu quase 20%, para US$ 9,95 bilhões, o maior desde outubro de 2008. As informações são da Dow Jones.
continua após publicidade