Economia

Geithner visita Brasil em meio a melhora de laços bilaterais

Da Redação ·
 Secretário americano do Tesouro, Timothy Geithner, fala durante debate no Fórum Econômico Mundial, de Davos
fonte: Reuters
Secretário americano do Tesouro, Timothy Geithner, fala durante debate no Fórum Econômico Mundial, de Davos

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, tentará reforçar as relações cada vez mais firmes entre Washington e Brasília, buscando encontrar consenso entre os países sobre questões como a moeda chinesa quando iniciar sua primeira visita oficial ao Brasil, nesta segunda-feira.
 

continua após publicidade

Após os atritos dos últimos anos em torno de disputas comerciais e da relação do Brasil com o Irã, a presidente Dilma Rousseff busca abertamente desenvolver laços mais fortes com os EUA.
 

Antes da reunião do G20 na França, em 18 e 19 de fevereiro, os dois países tentam encontrar maneiras de cooperar para convencer a China a permitir que o iuan se valorize mais rápido.
 

continua após publicidade

O iuan subvalorizado -- parte do que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, chamou de 'guerra cambial' global -- gerou um problema para a economia brasileira, erodindo a balança comercial nacional e transferindo empregos para o exterior.
 

A visita de Geithner também deve abrir caminho para uma viagem ao Brasil do presidente norte-americano, Barack Obama, em março. Autoridades de ambos os países dizem que visita sinalizará uma nova era de cooperação entre as duas maiores economias do hemisfério ocidental.
 

'A relação do Brasil com Washington será induzida menos por ideologia do que nos últimos anos', disse um assessor de Dilma à Reuters.
 

continua após publicidade

Dilma acredita que aproximar-se de Washington é uma das maneiras de convencer a China a corrigir desequilíbrios comerciais, disseram assessores.
 

'Os Estados Unidos estão impressionados com a retórica que o governo brasileiro tem usado em relação a questões econômicas globais, em particular, em relação à China', disse Mauricio Cardenas, diretor do programa de estudos da América Latina na Brookings Institution, centro de pesquisa em Washington.
 

Lael Brainard, subsecretária para assuntos internacionais do Tesouro norte-americano que acompanha Geithner na viagem, disse à Reuters que o iuan e as políticas cambiais da China estarão entre os muitos interesses econômicos comuns a Brasil e EUA.
 

'Eu acho que nós iremos nos concentrar em interesses mútuos amplos -- em onde nós vemos os rumos da agenda do G20, no rebalanceamento mais amplo da economia global e nas questões cambiais', disse ela.