Economia

Turquia e Hungria anunciam medidas contra a inflação

Da Redação ·
A Turquia e a Hungria anunciaram hoje medidas para conter o avanço dos preços. O banco central da Turquia elevou a taxa do compulsório dos bancos, em um esforço para controlar o aumento dos empréstimos no país e contrabalançar o impacto inflacionário do corte na taxa de juros básica anunciado na semana passada. O compulsório foi elevado em 200 pontos-base. Já a taxa de depósitos de um mês passou de 8% para 10% e a dos depósitos de três meses aumentou de 7% para 9%, de acordo com comunicado publicado no site do banco central. Destinadas a garantir um "aperto líquido" da política monetária, as mudanças entram em vigor a partir de 4 de fevereiro. O compulsório representa a parcela dos depósitos bancários que é recolhida pelo banco central, o que reduz a liquidez da economia. O aumento do compulsório é uma das estratégias geralmente usadas pelos países para combater a inflação. Também hoje, a Hungria elevou sua taxa básica de juros pela terceira vez em três meses, como era esperado pela maioria dos analistas, por conta das preocupações com a inflação. O comitê de política monetária do banco central húngaro aumentou a taxa dos títulos de duas semanas para bancos comerciais de 6% para 5,75% ao ano. O banco central prevê que a inflação vá superar sua meta de médio prazo de 3% nos próximos dois anos. A decisão sobre o juro deve acirrar os atritos entre o banco central, que defende a meta de inflação, e o governo, cujo principal objetivo é reativar a economia. Esta reunião de janeiro do comitê de política monetária foi a última antes de o governo anunciar seu esperado plano fiscal, voltado para o corte de gastos. As informações são da Dow Jones.
continua após publicidade