Economia

Vendas no comércio varejista crescem 7,3% no Paraná

Da Redação ·
 Comércio varejista paranaense registrou alta de 7,3% em novembro
fonte: Divulgação
Comércio varejista paranaense registrou alta de 7,3% em novembro

O comércio varejista do Paraná cresceu 7,3% em novembro, na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, nesta quarta-feira (12). No acumulado no ano (janeiro a novembro de 2010), o crescimento no Estado foi de 9,8%.
 

continua após publicidade

O secretário da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, Ricardo Barros, reforçou a expectativa do fortalecimento da economia paranaense a partir deste ano. “Vamos nos concentrar em políticas públicas, com prioridade ao estímulo à produção e geração de empregos, principalmente nas pequenas e médias cidades”.
 

Esse é o segundo índice positivo divulgado pelo IBGE sobre a economia paranaense na semana. Na terça-feira (11), o Instituto destacou que a produção industrial do estado teve o segundo melhor resultado do País ao avançar 11,5 % em novembro.
 

continua após publicidade

“São números animadores e que devem ser ampliados com a administração de Beto Richa. O ambiente é positivo para o empresariado investir no Paraná e será ainda melhor quando finalizarmos a elaboração do programa que vai aumentar a competitividade do Estado. Vamos fortalecer as indústrias instaladas aqui e atrair novos investimentos”, salientou Ricardo Barros. “Na medida que descentralizamos a instalação de parques industriais, surge um processo em cadeia de geração de renda e consumo, com reflexos diretos para o comércio estadual”.
 

SETORES – No comparativo com novembro de 2009, o Paraná destacou-se nas vendas de equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (20,6%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (16,7%), artigos de uso pessoal e doméstico (12,9%), móveis e eletrodomésticos (10,3%), hipermercados e supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (5,1%), combustíveis e lubrificantes (4,3%) e livros, jornais, revistas e papelaria (2,3%). Apenas para tecidos, vestuário e calçados o volume de vendas foi inferior ao do mesmo mês do ano anterior (-0,2%).
 

De acordo com Fernando de Lima, pesquisador do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), o aumento no nível do emprego registrado ao longo do ano passado, juntamente com o aumento da renda, tem garantido boas vendas para o comércio ao longo do ano.