Economia

Medo do desemprego cai devido à formalização, diz CNI

Da Redação ·
Para o economista da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Marcelo de Azevedo, o menor Índice de Medo do Desemprego da série histórica da entidade (iniciada em 1996) se explica pelo alto nível de formalização do mercado de trabalho e pela redução contínua da taxa de desemprego no País. Conforme o levantamento, feito entre os dias 4 e 7 de dezembro, 56,7% das respostas foram de brasileiros que estão otimistas quanto à manutenção de seus empregos. "Com todos estes indicadores extremamente positivos, o brasileiro se sente seguro sobre seu emprego. Ele percebe, no dia-a-dia, que há disponibilidade de vagas", afirma Azevedo. "De acordo com dados do Ministério do Trabalho, duplicou a criação de empregos com carteira assinada nos dez primeiros meses do ano comparativamente a igual período de 2009, com mais de 2,4 milhões de empregos. A criação de empregos formais, conforme o IBGE, foi responsável por 96% das novas vagas abertas nos últimos 12 meses, até outubro passado", informa nota da CNI. O levantamento da CNI revela que a proporção dos entrevistados que afirmaram estar com muito medo do desemprego, por sua vez, atingiu o menor porcentual da pesquisa, recuando de 15,3% em setembro - o levantamento é trimestral - para 13,6% em dezembro. Já o porcentual dos entrevistados que declarou estar com medo do desemprego manteve-se praticamente estável entre setembro e dezembro, com 29,7%. O Índice de Medo do Desemprego atingiu 79,3 pontos em dezembro, sobre uma base de 100 pontos, recuando 2,2% na comparação com setembro e 7,3% ante dezembro de 2009. "É a primeira vez que o índice situa-se abaixo dos 80 pontos. Quanto menor a pontuação, maior a confiança na preservação do emprego", afirma Azevedo.
continua após publicidade