Economia

Brasil alega déficit para negar abertura do comércio

Da Redação ·

O setor industrial brasileiro acumula um déficit comercial sem precedentes e, por enquanto, apenas a alta nos preços das commodities evita que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva termine seu mandato com um buraco no comércio exterior. O próprio governo admite que a valorização do real neutralizou qualquer impacto das tarifas de importação no Brasil na proteção ao mercado nacional.

continua após publicidade

Os dados foram apresentados ontem à Organização Mundial do Comércio (OMC) pela própria diplomacia brasileira como argumento de que não tem mais como abrir seu mercado, como exigem americanos e europeus. A meta dos governos é fechar a Rodada Doha em 2011. Mas Washington e Bruxelas cobram de Brasil, Índia e China concessões industriais para haver um entendimento. Ontem, de forma pouco habitual, o Itamaraty usou os problemas do País para justificar a não redução das suas tarifas, como pedem os países ricos.

continua após publicidade

"A acumulação de superávit comercial no passado tem sido um pilar central da estabilidade de nossa economia", disse o embaixador do Brasil na OMC, Roberto Azevedo. Segundo ele, porém, a valorização da moeda brasileira nos últimos anos anulou "completamente" a proteção que as tarifas garantiam. "O desempenho pobre é, em grande parte, por causa de políticas no exterior que têm impacto direto sobre o câmbio do real", disse, sobre a decisão do Fed de inundar o mercado com créditos.

Segundo ele, antes da crise o Brasil acumulava superávit de US$ 46,5 bilhões em 2006. "Desde então, nossa moeda tem se valorizado por causa da combinação de políticas fiscais, monetárias e de câmbio dos países. Como consequência direta disso, nosso superávit comercial caiu para US$ 14,5 bilhões de janeiro a outubro de 2010. Isso significará certamente uma queda de 60% no ano", alertou Azevedo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.