Economia

Importados 'roubam' três pontos do PIB, diz Ipea

Da Redação ·

A disparada das importações "roubou" três pontos porcentuais do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre. Se as compras externas tivessem se mantido no mesmo patamar do ano passado, o crescimento econômico no período, em relação ao terceiro trimestre de 2009, teria ficado em torno de 10%, bem acima do resultado de 6,7% apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

continua após publicidade

O cálculo, feito pelo economista Paulo Levy, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), leva em conta o crescimento da demanda interna, que bateu 10,1% no terceiro trimestre, na mesma base de comparação. A combinação da taxa de juros em nível relativamente baixo - para os padrões brasileiros - no último ano e meio, com uma política fiscal expansionista e uma capacidade ociosa no mundo, traz uma enxurrada de importados ao País.

continua após publicidade

"As exportações líquidas (exportações menos importações) contribuíram com 3,3 pontos porcentuais do resultado dessa demanda, que inclui o consumo das famílias, do governo e os investimentos, incluindo a variação de estoques da indústria", explica Levy. Ele concorda que o câmbio é o principal fator a empurrar para cima as importações, mas não o único. Também pesam na equação o crescimento da demanda interna, que levou a indústria a operar a plena capacidade, e o ajuste dos estoques industriais.

"A demanda aquecida é, de um lado, positiva, porque reflete o aumento forte dos investimentos, mas o ideal seria que viesse acompanhada de uma expansão da demanda doméstica, que não está ocorrendo na mesma proporção", comenta Levy. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.