Economia

Após quatro altas seguidas, otimismo com economia recua

Da Redação ·

O consumidor brasileiro está menos otimista em setembro na comparação com agosto após quatro meses de alta na confiança. É o que mostra o Inec (Índice Nacional de Expectativa do Consumidor) de setembro, que ficou com 118,3 pontos, queda de 0,8% em relação a agosto. O índice foi divulgado nesta quarta-feira (6) pela CNI (Confederação Nacional da Indústria).

continua após publicidade

O Inec tem base fixa 100. Acima desse valor, a expectativa é positiva. Abaixo, negativa. O índice é medido mensalmente pela CNI e pelo Ibope e sintetiza o sentimento do consumidor brasileiro com relação à situação atual e às expectativas econômicas para os próximos seis meses. Os consumidores são questionados sobre as expectativas em relação à evolução da inflação, do desemprego, da renda pessoal, do endividamento e da intenção de compra de bens duráveis.

continua após publicidade

De acordo com a CNI, a leve queda de setembro em relação a agosto pode ser atribuída à deterioração das expectativas sobre inflação e desemprego. O índice de expectativa em relação à inflação teve queda de 3,2% na comparação com agosto, aos 124,2 pontos. O recuo pode estar associado, segundo a CNI, à alta na inflação dos alimentos.

continua após publicidade

Em relação ao desemprego, a queda foi de 4,9%. O índice ficou em 136,7 pontos, ante 143,8 pontos em agosto. Isso significa que o medo do brasileiro de ficar desempregado aumentou no período.

Dados positivos

continua após publicidade

Em setembro ficaram estáveis a expectativa do consumidor com relação à própria renda, com 114,9 pontos, e a situação financeira do consumidor, com 117,5 pontos.

continua após publicidade

O índice de endividamento do consumidor teve queda de 1,3% no período, com 110,4 pontos. O dado é positivo porque indica que o consumidor tem potencial para as compras de fim de ano, já que ficou livre de dívidas. Esta é a segunda queda mensal do índice.

Atrelada à queda do endividamento está a expectativa de gastar em bens de maior valor, que teve elevação de 2,2% em setembro. A elevação do índice também está relacionada às compras de fim de ano.

A pesquisa do Inec foi feita pelo Ibope com 3.010 pessoas em 191 municípios entre 25 e 27 de setembro.