Carlos Ghosn segue no comando da Renault por mais quatro anos - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

    Economia

    Carlos Ghosn segue no comando da Renault por mais quatro anos

    Escrito por FolhaPress
    Publicado em Editado em
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O conselho de administração da Renault deu aval para um novo mandato do presidente-executivo, o brasileiro Carlos Ghosn.

    Ghosn, que comanda a Renault desde 2005, completa 64 anos em março, e seguiu a indicação do conselho designando Thierry Bolloré como diretor-geral adjunto do grupo para ser o número dois do grupo.

    A decisão pela permanência de Ghosn por um período de mais quatro anos precisa ser submetida a assembleia geral de acionistas, que acontece em junho.

    Para seguir a frente do grupo, o brasileiro aceitou reduzir seus ganhos em 30%, afirmou o ministro da Economia da França, Bruno Le Maire.

    O grupo controla cinco marcas de automóveis (Renault, Dacia, Renault Samsung Motors, Alpine e Lada) e vendeu 3,76 milhões de unidades no ano passado. Tem também uma parceria, chamada de aliança com as japonesas Nissan e Mitsubishi.

    LUCRO RECORDE

    Nesta sexta-feira (16), a montadora francesa Renault reportou vendas e lucro recorde em 2017.

    As ações da companhia avançavam, depois que a Renault anunciou um aumento de 17% no lucro operacional de 2017, para €3,854 bilhões e de 17,7% na receita anual, para €58,77 bilhões.

    O resultado superou as expectativas de analistas de lucro operacional de €3,65 bilhões, com base na mediana de 14 projeções coletadas em levantamento da agência Reuters. Já a receita ficou ligeiramente abaixo do consenso de €59,25 bilhões.

    "Fomos surpreendidos positivamente pela qualidade do resultado", disse Arndt Ellinghorst, analista da Evercore, acrescentando que a redução do custo de produção mais que triplicou para €663 milhões.

    O lucro operacional da divisão automotiva, sem considerar o negócio recentemente consolidado AvtoVAZ na Rússia, cresceu 15,2%, para €363 milhões.

    A companhia elevou a proposta de distribuição de dividendos em 12,7%, para €3,55 por ação, e prometeu manter sua margem operacional acima de 6% em 2018, apesar do agravamento dos efeitos cambiais que reduziram em €303 milhões o lucro anual.

    Gostou desta matéria? Compartilhe!
    TNTV
    TNTV

    Covid-19: profissionais de saúde alertam para riscos da automedicação

    Deixe seu comentário sobre: "Carlos Ghosn segue no comando da Renault por mais quatro anos"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.