Economia

Celular da Samsung lidera atendimentos no Procon

Da Redação ·

A Samsung foi a fabricante de celulares que recebeu o maior número de atendimentos por consumidores nos Procons de todo o país no primeiro semestre do ano, segundo informou nesta sexta-feira (27) o diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) do Ministério da Justiça, Ricardo Morishita.

continua após publicidade

A Samsung recebeu 29,36% das demandas no período, seguida de LG (25,38%), Nokia (21,19%), Sony (15,51%) e Motorola (8,56%).

continua após publicidade

Os atendimentos representam todos os registros do consumidor nos Procons. Podem ser dúvidas, reclamações e problemas com garantia.

continua após publicidade

Elas não são necessariamente apenas reclamações - que são medidas pelo cadastro que será divulgado pelos Procons no dia 14 de setembro. O diretor do DPDC, RIcardo Morishita, ressaltou que é alto o número de problemas com celuares.

- Aparelhos celulares têm sido uma das maiores demandas dos Procons no Brasil.

continua após publicidade

A intenção é a de que o "barômetro do aparelho celular" seja divulgado mensalmente a partir de agora. O Brasil fechou o mês de julho com uma base de 187,02 milhões de aparelhos celulares e a quantidade de demandas registradas pelo sistema nacional é considerada "preocupante" pelo diretor.

continua após publicidade

O pano de fundo da iniciativa do DPDC é um embate com a Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), que representa as fabricantes Nokia, Motorola, LG, Samsung e Sony Ericsson.

continua após publicidade

Há dois meses, os dois lados se indispõem por causa de avaliações diferenciadas sobre os trâmites e os prazos para troca de aparelhos celulares com defeito.

Para o DPDC, o celular é um produto essencial. Dessa forma, necessitaria de troca imediata quando apresentar problemas. Para a Abinee, a troca deve ser feita em até cinco dias após a aquisição do aparelho.

A associação alega que foram ativados 15% mais linhas celulares em 2008 e 2009 e, no mesmo período, as reclamações recuaram 24%. A Abinee já sinalizou que poderá entrar na Justiça contra a decisão do DPDC de considerar o telefone celular um produto essencial.