Economia

Exportações de Arapongas crescem 42,4% no semestre

Da Redação ·
 Setor de móveis lidera a pauta de exportação de Arapongas
fonte: Arquivo TN
Setor de móveis lidera a pauta de exportação de Arapongas

As exportações de Arapongas vêm reagindo ao longo deste ano. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). as vendas registradas nos primeiros seis meses do ano, no comparativo com o mesmo período do ano passado, apresentaram um crescimento de 42,44%, somando US$ 41,4 milhões. Apenas no mês de junho, quando as vendas externas atingiram US$ 7 milhões, o aumento foi de 65,21%. As negociações externas também registraram um aumento de 9,4% em relação ao mês de maio deste ano.

continua após publicidade


As vendas do setor moveleiro têm puxado as exportações no ano. Até junho, as negociações deste segmento somaram US$ 20,9 milhões. Apenas móveis de madeira para quartos registraram US$ 11,1 milhões. O volume é 68% superior ao registrado no igual período do ano passado. Já outros móveis de madeira representaram US$ 7,2 milhões, apresentando um crescimento de 59,9%.


Outro setor que tem se destacado nas vendas externas é o frigorífico, através das exportações de tripas e miudezas de bovinos, entre outros. As negociações destes produtos somaram US$ 14,1 milhões. Na pauta de exportações do município também se destacam produtos alimentícios (doces e comida para animais), além de plantas e partes para perfumaria e medicina, e ainda milho para semeadura. Na lista dos países que Arapongas exporta estão: Hong Kong (26,9%); Paraguai (11,4%); Argentina (9,5%); Bolívia (8,7%); Cazaquistão (6,01%); Chile (5,5%); Peru (5,4%); Angola (3,8%); Alemanha (3,39%); e África do Sul (2,8%) .

continua após publicidade


As importações também registraram crescimento. De janeiro a junho, o aumento foi de 55,7% no comparativo com o mesmo período de 2009. No primeiro semestre do ano as compras internacionais somaram US$ 23,9 milhões, contra US$ 15,3 milhões no igual período do ano passado. Os bens intermediários representam 90% das importações. Neste segmento estão incluídos insumos industriais (82%) e alimentos e bebidas destinados à indústria (7,2%). Já os bens de capital aparecem como o segundo setor de destaque nas compras externas, que incluem bens de consumo duráveis e não duráveis, enquanto os bens de capital somam 5,3%.