Economia

Agências do Trabalhador colocam meio milhão de pessoas no mercado

Da Redação ·
Agência do Trabalhador.Curitiba, 16/01/2015.Foto: José Fernando Ogura Foto: JFOGURA
Agência do Trabalhador.Curitiba, 16/01/2015.Foto: José Fernando Ogura Foto: JFOGURA

Mais de meio milhão de trabalhadores ocuparam postos no mercado de trabalho por meio das 220 Agências do Trabalhador do Paraná, desde 2011. O levantamento do Observatório do Trabalho, da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social, mostra que de janeiro de 2011 a maio de 2015 o número de vagas intermediadas pelas unidades chegou a 509.127. Para a secretária do Trabalho e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, os números refletem o bom trabalho realizado pelo Governo do Estado, voltado para o desenvolvimento regional e que levou dinamismo econômico a municípios que antes viviam estagnados.

“Com os incentivos para a industrialização, conseguimos ofertar mais empregos, especialmente no interior, que gerou 75% das novas vagas nos últimos quatro anos. Nesse cenário, o trabalho de intermediação feito pelas agências é essencial, pois ajuda o trabalhador a encontrar essas novas vagas e ser inserido no mercado de trabalho”, explicou.Nos primeiros cinco meses de 2015, as agências registraram um aproveitamento de 34% dos candidatos inscritos. Este é o segundo melhor resultado, nos últimos cinco anos, para o mesmo período.

“Isso significa que a cada três trabalhadores que se candidatam, um consegue emprego por meio das agências”, esclarece a economista do Observatório do Trabalho, Suelen Glinski Rodrigues dos Santos.Para Suelen, os resultados mostram que as agências estão ofertando vagas com mais qualidade e que são trabalhadas com eficiência. “Incluir qualidade na vaga é negociar com a empresa postos de trabalho mais atrativos, que ofereçam mais benefícios aos candidatos. Isso aumenta o interesse e a procura”. 

RANKING – No acumulado de janeiro de 2011 a maio de 2015, a Agência do Trabalhador Central de Curitiba lidera o ranking de agências com o maior número de colocações (32.365), seguida por São José dos Pinhais (21.137), na Região Metropolitana de Curitiba. Segundo a gerente da Agência de São José dos Pinhais, Silmara do Rocio Claudino, parte dos bons resultados da unidade se deve ao trabalho ativo de convocação dos inscritos. O procedimento é usado em situações onde há urgência para a contratação ou para localização de trabalhadores para vagas mais específicas, agilizando o retorno para o empregador. “Nós trabalhamos a vaga, ligamos para o candidato e explicamos sobre a oportunidade. Quando ele vem à agência, já tem uma reserva e então recebe atendimento prioritário, diferente daquele que vem pela primeira vez”, contou. 

INTERIOR – Com 17.038 trabalhadores contratados por intermédio da unidade, em pouco mais de quatro anos, a Agência do Trabalhador de Cascavel é a que apresenta melhores resultados no interior do Estado, ocupando o terceiro lugar no ranking geral. A gerente Maristela Becker Miranda citou que o trabalho ativo com os empresários locais tem sido essencial para a captação de novas vagas e, consequentemente, para o melhor aproveitamento dos candidatos. “Aqui fazemos o contato telefônico com os empregadores e também o trabalho pessoal de relações públicas, visitando setores da cidade e conversando com os empresários”. Maristela destaca que a qualidade no atendimento também é resultado da atuação da equipe de 30 servidores efetivos da unidade, todos com nível superior. “A equipe é comprometida com os resultados, isso faz toda a diferença”. 

O trabalho inclui ainda visitas a municípios vizinhos, como Cafelândia, Matelândia e Toledo, em busca de oportunidades para trabalhadores imigrantes. “Também atendemos pessoas de localidades onde as vagas estão esgotadas ou onde não há agências. Parte dessa mão de obra é absorvida aqui mesmo, em Cascavel”, finalizou.

AGILIDADE – Oportunidades para os trabalhadores, soluções rápidas para os empresários. Para a analista de Recursos Humanos da indústria Macroplastic, Carla Wronski, a agilidade no retorno e o atendimento qualificado são os principais diferenciais do serviço da Agência do Trabalhador de Curitiba. “Utilizamos a intermediação desde 2008 e sempre tivemos um bom retorno. O trabalhador encaminhado já tem todas as informações da vaga e está realmente interessado na oportunidade”, afirmou. 

O auxiliar de produção Erenil José Neves, recém-contratado pela empresa, encontrou na Agência do Trabalhador de Curitiba a oportunidade que precisava para retornar ao mercado de trabalho depois de oito meses sem emprego com carteira assinada. “Eu estava trabalhando por conta, mas a situação ficou difícil”, disse. “Entreguei sozinho mais de 30 currículos e nunca fui chamado. Na segunda vez que fui à agência, já saí com minha vaga encaminhada.” 

SERVIÇO
- Além de fazer a captação de vagas e a intermediação de mão de obra, as agências oferecem serviços de orientação profissional aos candidatos. Existem ainda os atendimentos especializados, voltados para estrangeiros, pessoas com deficiência e para profissionais com ensino superior. As empresas interessadas em ofertar postos de trabalho para trabalhadores com deficiência podem entrar em contato com a Agência do Trabalhador mais próxima e solicitar um modelo de requerimento de abertura de vaga. A vaga ficará disponível no sistema por 30 dias e não apresenta nenhum tipo de ônus ao empregador. 

COMO FUNCIONA – Para se candidatar às vagas, o interessado deve comparecer à Agência do Trabalhador mais próxima de sua casa e levar a Carteira de Trabalho e documentos pessoais, como Carteira de Identidade e CPF. No Paraná, existem 220 agências administradas numa parceria entre o Ministério do Trabalho, Governo do Estado e prefeituras. Na unidade é feito o cadastro do trabalhador e, se houver uma vaga compatível com o seu perfil, imediatamente ele receberá uma carta de encaminhamento para uma empresa. A partir daí, o processo seletivo obedece aos critérios definidos pelo empregador. Praticamente 80% dos trabalhadores que procuram as Agências saem da unidade com entrevista de emprego agendada. A escolha do candidato contratado fica por conta do empregador.

continua após publicidade