Economia

​Presidente da Shell diz que petroleira analisa 'riscos' na extração do pré-sal

Da Redação ·
Segundo ele, o receio se deve às sucessivas denúncias de irregularidades envolvendo a estatal do petróleo reveladas na Operação Lava Jato - Foto: Divulgação
Segundo ele, o receio se deve às sucessivas denúncias de irregularidades envolvendo a estatal do petróleo reveladas na Operação Lava Jato - Foto: Divulgação

O presidente mundial da Shell, Bem van Beurden, afirmou nesta quinta-feira (23), após se reunir no Palácio do Planalto com a presidente Dilma Rousseff, que ele analisa os eventuais “riscos” para a empresa na exploração, ao lado da Petrobras, do petróleo da camada do pré-sal no Campo de Libra, na Bacia de Campos (RJ e ES). 

continua após publicidade

Segundo ele, o receio se deve às sucessivas denúncias de irregularidades envolvendo a estatal do petróleo reveladas na Operação Lava Jato.

Além da Shell e da Petrobras, compõem o consórcio do Campo de Libra – a maior reserva de petróleo conhecida do Brasil – as multinacionais Total, CNPC e CNOOC. Libra fica na Bacia de Santos, a 170 km do litoral do estado do Rio de Janeiro.

continua após publicidade

Tem cerca de 1,5 mil quilômetros quadrados – a maior área de exploração do mundo, segundo a Agência Nacional de Petróleo (ANP). “É óbvio que, dada a forma como o escândalo [na Petrobras] se desdobrou, temos, por isso, examinado com muita atenção, muito nitidamente, os riscos para o projeto de Libra e também para outros projetos no Brasil”, disse van Beurden no Palácio do Planalto.

Alvo de um esquema de corrupção que cobrava propina de fornecedores, a Petrobras perdeu valor de mercado desde que as denúncias vieram à tona no ano passado. As suspeitas de irregularidades provocaram a troca da cúpula da empresa e motivaram fundos de investimentos dos Estados Unidos e da Europa a ingressarem na Justiça para reivindicar indenizações em razão de supostos prejuízos causados aos investidores da Petrobras.

Somente nos Estados Unidos já foram registradas pelo menos 11 ações coletivas contra a estatal. Segundo o presidente da Shell, o encontro com a presidente Dilma serviu para que ele a informasse sobre os planos da empresa no Brasil, a “confiança” da companhia no país e a “reafirmação” do “forte interesse” da multinacional em investir a longo prazo no Brasil.