Economia

Paraná criou 10,3% dos empregos formais do Brasil em 2014

Da Redação ·
Foto: arquivo
Foto: arquivo

A participação do Paraná na criação de empregos formais no Brasil amentou em 2014. O Estado foi responsável por 10,3% das vagas criadas em todo o país, resultado 2,2 pontos porcentuais maior que o registrado em 2013. 

continua após publicidade

De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, foram criados no Paraná, de janeiro a dezembro do ano passado, 41.012 novos postos de trabalhos com carteira assinada. Do total, 90% foram para o interior do Estado. 

O número é resultado do registro de 1.602.462 admissões e 1.561.450 desligamentos. Com este desempenho, o Paraná ficou na quinta posição no ranking dos estados que mais criaram postos de trabalho com carteira assinada no ano passado. 

continua após publicidade

DESACELERAÇÃO 

Assim como em todo o País, o Paraná também registrou uma desaceleração no ritmo de crescimento de empregos formais em 2014. O crescimento no ano passado foi 54,6% menor que o crescimento verificado em 2013. 

continua após publicidade

Conforme dados do Caged, a desaceleração no Estado foi menor que a verificada no Brasil, cujo crescimento no número de empregos formais 65% menor que em 2013. 

“A redução do ritmo de crescimento de empregos formais foi generalizada em todo o Brasil e se deve às condições macroeconômicas, à retração da economia”, afirma o diretor-presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes), Júlio Takeshi Suzuki Junior. 

“O aumento na participação dos empregos do País mostra que a desaceleração do mercado de trabalho foi menos acentuada no Estado”, afirma.

continua após publicidade

NO INTERIOR 

continua após publicidade

O presidente do Ipardes também ressalta o desempenho do interior, que ficou com 90% das novas vagas criadas no Paraná, no ano passado. “Esse dado é importante e muito positivo”, afirma Júlio. 

Para a secretária do Trabalho e Desenvolvimento Social em exercício, Letícia Raymundo, o índice é reflexo das políticas públicas voltadas para a redução das desigualdades regionais adotadas pelo Governo do Estado. 


SEGMENTOS

Os segmentos que mais se destacaram positivamente na geração de empregos formais em 2014 foram os de serviços e comércio, com saldos de 32.050 e 13.507 vagas preenchidas, respectivamente. 

A construção civil foi responsável por 3.219 empregos. Por outro lado, a indústria de transformação do Estado eliminou 8.231 vagas, em razão da desfavorável condição do setor manufatureiro brasileiro, que vem contabilizando sucessivos declínios dos níveis de produção.