Economia

Venda de motos cai 10,2% em 2014, diz Abraciclo

Da Redação ·
Foto: arquivo
Foto: arquivo

SÃO PAULO, SP - A Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Bicicletas e similares) divulgou nesta quarta-feira (9) o desempenho do mercado de motocicletas, que teve a produção nacional reduzida em 10,2% entre janeiro e novembro de 2014, em relação ao mesmo período de 2013. 

continua após publicidade

Nesse intervalo, foram 1.429.012 motocicletas fabricadas, contra 1.592.073 unidades no ano passado. 

Entre janeiro e o mês passado, a média acumulada de exportações teve recuo de 16,3% em relação a 2013, caindo de 98.002 para 82.003 unidades exportadas neste ano, entre janeiro e novembro. 

continua após publicidade

De acordo com o presidente da entidade, Marcos Fermanian, a queda se deve à crise na Argentina, maior consumidor de motos brasileiras. 

Algo que deve se agravar em 2015, segundo o executivo, quando são esperadas apenas 40 mil motos exportadas -uma baixa de 55,6%. 


PREMIUM E SCOOTERS EM ALTA 

continua após publicidade

Apesar da queda de vendas nos segmentos de baixa e média cilindrada, o nicho de motos premium (a partir de 450 cm³) subiu 10,8% nas vendas de varejo, com 51.208 novas motos vendidas entre janeiro e novembro. 

Os scooters cresceram 30,8% nas vendas em igual período, com 9.030 unidades a mais em relação a 2013 -total de 38.344 novos veículos. 


PREVISÕES PARA 2015 

continua após publicidade

Diante das novas linhas crédito disponíveis recentemente no Banco Pan e na Caixa Econômica Federal (com juros a partir de 0,93% ao mês), a entidade comemora alta de vendas financiadas. 

Em novembro, esta modalidade aumentou 17,2% em relação a outubro, o que levou ao retorno de vendas diárias na casa de 6.000 unidades. 

continua após publicidade

Isso, somado à nova lei que agiliza a retomada de bens (inadimplentes) leva a crer em previsões otimistas para 2015, quando, segundo Fermanian, "se deverá ter um mercado mais estável, no qual esperamos alta de 2% na produção". 

Traduzida em números, a porcentagem sugere uma produção de 1.500.000 motos no próximo ano, contra cerca de 1.470.000 motos esperadas até o fechamento de dezembro. 


BICICLETAS 

continua após publicidade

Apesar do boom ecologicamente correto das bicicletas, o ano não foi bom para o segmento. Surpreendeu com baixa de 10% nas vendas -de 3,9 para 3,6 milhões de unidades comercializadas em 2014. 

Segundo Eduardo Musa, vice-presidente da Abraciclo e diretor da Caloi, a criação de ciclofaixas é apenas o início de uma cultura de uso diário das bicicletas. 

Segundo ele, "se trata de uma mentalidade de uso mais racional que surgirá a médio e longo prazo. Parece que ultimamente muita gente tirou sua bike da garagem e voltou a rodar", completou. 

Apesar da produção nacional ter mostrado queda, a venda de modelos importados pulou de 241.400 unidades vendidas em 2013, para 244.000 em 2014. 

Segundo Musa, o mercado espera absorção cada vez maior de modelos com maior tecnologia e valor agregado.