Economia

Aluguel no litoral de São Paulo fica até 350% mais caro

Da Redação ·
Litoral norte de São Paulo (Foto: Gianne D´Angelo- PMC)
Litoral norte de São Paulo (Foto: Gianne D´Angelo- PMC)

SÃO PAULO, SP - Passar as festas de Natal e Ano Novo e as férias no litoral paulista ficou até 350% mais caro neste ano em relação à temporada passada. O aluguel médio diário passou de R$ 230 para R$ 1.030, de acordo com o levantamento do Creci-SP (Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo). 

continua após publicidade

Conforme o estudo, o preço do aluguel diário subiu em 16 dos 23 tipos de imóveis ofertados para locação nas imobiliárias credenciadas no litoral. 

Segundo o Creci, o preço da diária varia de R$ 85 a R$ 1.800 por dia, dependendo da cidade e do tipo de imóvel escolhidos. Esses dois valores extremos se referem à locação de apartamento quitinete no litoral sul e de casas de quatro dormitórios no litoral norte. 

continua após publicidade

As maiores altas foram Guarujá, São Vicente e Santos, considerado faixa central do litoral pela entidade.

Apartamentos de quatro dormitórios custam em média R$ 1.800 por dia, um valor 118,18% maior que os R$ 825 cobrados em 2013. E as casas de quatro dormitórios encareceram 112,29%, com o aluguel médio diário subindo de R$ 871,43 para R$ 1.850. 

Já para quem optar pela locação de um imóvel no litoral Norte -em cidades como Bertioga, Caraguatatuba e São Sebastião, o preço da diária caiu quase 25%. Imóveis maiores estão com aluguéis maiores. 

continua após publicidade

Em cidades como Ubatuba e Caraguatatuba, no entanto, houve queda nos preços de até 24,49%. 

O aluguel médio de imóveis com três dormitórios nessas cidades caiu de R$ 1.270, em 2013, para R$ 959, neste ano. 

Nas casas de um dormitório a redução foi de 11,34%, com a diária passando de R$ 300 para R$ 266; nas de dois dormitórios a queda ficou em 9,13%, com o aluguel baixando de R$ 715,28 para R$ 650; e nas de 4 dormitórios, houve queda de 10,48%, com o aluguel médio caindo de R$ 1.792,86 para R$ 1.605.

José Augusto Viana Neto, presidente do Creci, diz que para evitar pagar mais, é bom se programar e fechar o imóvel o mais rápido possível.