Economia

Investimentos industriais aquecem economia dos municípios paranaenses

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Investimentos industriais aquecem economia dos municípios paranaenses
Investimentos industriais aquecem economia dos municípios paranaenses

Os empregos gerados pelas indústrias incentivadas pelo programa Paraná Competitivo, do Governo do Estado, movimentam a economia de diversos municípios, em todo o Estado. São exemplos Palmeiras, Ponta Grossa, Ortigueira, Barracão. Moradores, comerciantes e secretários municipais da indústria e comércio destacam benefícios como aquecimento do comércio e do mercado imobiliário, qualificação profissional e aumento da arrecadação municipal. 

Levar desenvolvimento, empregos e oportunidades para o interior do Paraná é um dos objetivos do Paraná Competitivo, criado em 2011 e que apoia, com incentivos fiscais, os novos empreendimentos que se instalam no Estado e a ampliação de plantas já existentes. Em quatro anos, o programa contabiliza a atração de mais de R$ 35 bilhões em investimentos. Do total de investimentos já consolidados, 75% estão no interior 

Em Palmeira, cidade com cerca de 32 mil habitantes nos Campos Gerais, a construção da unidade da fornecedora de peças para o setor automotivo, CCS Tecnologia, vem movimentando a economia da cidade desde o ano passado. A empresa está investindo R$ 30 milhões na unidade que vai gerar 300 empregos diretos. 

Segundo o secretário da Indústria e Comércio de Palmeira, Jaudeth Hajar, as obras estão em fase final e já há mais de 100 funcionários contratados. "Percebemos melhorias em todos os setores. Mais empregos, oportunidades para o comércio local, restaurantes, vigilância e serviços em geral. Lojas de material de construção estão vendendo muito bem", cita. 

Em Palmeira, a CCS Tecnologia e outras empresas da região fizeram uma parceria com o Senai para a implantação de cursos técnicos na cidade, assegurando mão de obra treinada e qualificada. "Essa mão de obra qualificada vai facilitar a vinda de outras empresas para a cidade", prevê o secretário de Palmeira. 

Jaudeth destaca, ainda, que houve uma forte valorização no preço das casas e terrenos na cidade. "Está vindo gente de fora e houve uma forte valorização dos imóveis e do mercado imobiliário em geral de Palmeira". 

PONTA GROSSA - O aquecimento no setor imobiliário também ocorre em Ponta Grossa. A cidade contabiliza R$ 3,3 bilhões de investimentos industriais, beneficiados pelo Paraná Competitivo. "A cidade está com um mercado bem aquecido, com a construção de novos empreendimentos horizontais e verticais. É um reflexo direto desse processo de industrialização", salienta Nilton Fior, presidente da Associação Comercial e Industrial de Ponta Grossa (ACIPG). 

Entre as indústrias que estão se instalando em Ponta Grossa está a Ambev. A multinacional de bebidas constrói uma unidade com investimentos de R$ 580 milhões. As obras, que estão aceleradas, empregam cerca de 1 mil trabalhadores. Em funcionamento a unidade deve gerar 500 empregos diretos e indiretos. 

" Ponta Grossa está importando mão de obra da região para atender as demandas dos setores comerciais e industriais, em especial, trabalhadores da construção civil e montadores industriais", afirma Nilton Fior. 

REFORÇO NA ARRECADAÇÃO - Um reflexo esperado a médio prazo é um reforço nos cofres do município. Cálculos da prefeitura apontam que o orçamento municipal deve dobrar nos próximos anos, chegando a mais de R$ 1 bilhão. 

O fortalecimento das contas públicas também é aposta da prefeitura de Ortigueira para os próximos anos. A prefeita do município de 24 mil habitantes, Lourdes Banach, ainda não tem estimativas do aumento, mas está confiante que o orçamento municipal "dará um bom salto" nos próximos anos. A multinacional Klabin investe cerca de R$ 7 bilhões na construção da fábrica de celulose na cidade. 

Hoje o orçamento de Ortigueira é de R$ 46 milhões por ano. A prefeita explica que parte do Imposto Sobre Serviço (ISS) gerado pela construção da unidade já está entrando na conta da prefeitura. O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) começará a ser arrecadado com início da operação da unidade da Klabin, prevista para primeiro trimestre 2016. 

Hoje, a obra emprega cerca de 5,5 mil pessoas e deve chegar ao 8,5 mil trabalhadores no pico da obra. Cerca de 85% dos trabalhadores são paranaenses e a grande maioria moradora de Ortigueira e municípios da região. Quando entrar em atividade, a unidade de Ortigueira vai criar 1,4 mil postos diretos de trabalho. 

Toda essa movimentação já tem reflexos na economia da cidade. Segundo Lourdes, diversos comerciantes e moradores estão ampliando seus negócios e casas. "Percebemos a melhoria na qualidade de vida das pessoas, que estão construindo mais, comprando carros e melhorando financeiramente", explica. 

DIVERSIFICAÇÃO - Em Barracão, no Sudoeste do Estado, com cerca de 10 mil habitantes, a instalação da fábrica de sorvetes dos Los Paleteros é a aposta para o início da diversificação da economia da cidade. Baseada na agricultura, confecções e calçados, a economia de Barracão vê na recém-inaugurada unidade uma oportunidade para atrair novos indústrias do ramo alimentício. 

Para isso, o secretário municipal da Indústria e Comércio, Celso Luiz Reineri, afirma que a prefeitura já busca novos terrenos para criar um distrito industrial. "Estamos perdendo indústrias interessadas em se instalar aqui por falta de área adequada", afirma. 

O secretário afirma que o início da produção Los Paleteros, que investiu R$ 9,5 milhões e está gerando cerca de 160 empregos diretos e indiretos, criou novas oportunidades de negócio no município. "Se há emprego, há geração de renda e movimentação da economia", ressalta ele.

continua após publicidade