Economia

Dólar vai a R$ 2,3780 e renova o maior valor em 7 meses

Da Redação ·
Fotos: Arquivo
fonte:
Fotos: Arquivo

O dólar engatou o terceiro dia consecutivo de alta e o nono avanço em dez sessões ante o real nesta sexta-feira, 19, influenciado pelo movimento da moeda ante outras divisas emergentes e pelo resultado da pesquisa Datafolha, que mostrou a presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff, mais bem posicionada nas intenções de voto.

O dólar à vista no mercado de balcão terminou o pregão desta sexta-feira com ganho de 0,55%, a R$ 2,3780 - maior valor desde 19 de fevereiro. Na semana, a moeda teve valorização de 1,71%. O giro financeiro na clearing de câmbio da BM&FBovespa somava, às 16h35, cerca de US$ 1,252 bilhão. No mercado futuro, o dólar para outubro subia 0,34%, a R$ 2,3810.

Os investidores já começaram o dia com os números do Datafolha em mãos. De acordo com o levantamento, subiu para sete pontos porcentuais a vantagem de Dilma, que tem 37% das intenções de voto, contra 30% de Marina no primeiro turno. Enquanto a presidente oscilou em alta, Marina caiu três pontos porcentuais. O candidato do PSDB, Aécio Neves, também avançou, passando de 15% para 17%. Em uma simulação de segundo turno, porém, persiste a situação de empate técnico. Marina ainda lidera, mas a diferença entre as duas, que já foi de dez pontos porcentuais, caiu agora para apenas dois pontos, com o placar de 46% a 44%.

continua após publicidade

Ainda assim, os números já estavam, em alguma medida, precificados pelos investidores. Por isso, os agentes ensaiaram uma realização de lucros, na contramão do que era visto no exterior, onde a moeda americana subia ante várias outras divisas. Porém, o movimento no Brasil não se sustentou e o dólar passou a subir.

O comportamento da divisa no exterior foi intensificado por declarações do presidente do Fed de Dallas, Richard Fisher, que defendeu que o banco central norte-americano deveria projetar a primeira elevação de taxas de juro na primavera (no hemisfério norte) e, em seguida, deveria agir de maneira lenta e gradual para apertar a política monetária. "Eu, pessoalmente, gostaria de ver a data do nosso primeiro passo... na primavera (que transcorre de março a junho) e não no verão (no hemisfério norte)", disse Fisher em uma entrevista à Fox Business Network.