Economia

Economistas preveem PIB fraco neste ano; Focus aponta alta de só 0,70%

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Economistas preveem PIB fraco neste ano; Focus aponta alta de só 0,70%
fonte: Foto: Arquivo
Economistas preveem PIB fraco neste ano; Focus aponta alta de só 0,70%

SÃO PAULO, SP - Economistas preveem para este ano o menor PIB (Produto Interno Bruto) desde 2009, quando a produção brasileira encolheu 0,2%. O Boletim Focus, sondagem do Banco Central feita com economistas, foi divulgado na segunda-feira (25) e mostrou que o mercado espera um crescimento de apenas 0,7% no PIB neste ano.

continua após publicidade

No fim de maio, quando os resultados do PIB do primeiro trimestre foram divulgados, os economistas sondados pelo BC ainda esperavam uma alta de 1,63% no ano. Desde então, as previsões diminuíram consecutivamente.

A estimativa para inflação subiu de 6,25% para 6,27%, após cinco semanas consecutivas de queda nas projeções. Para os economistas, a taxa de juros não deve ser reajustada ainda neste ano, permanecendo os 11% de atualmente.

continua após publicidade

2015

Já em 2015, o mercado prevê uma Selic de 12% e inflação de 6,28%. É esperado para o ano que vem uma série de reajuste de preços, principalmente na energia elétrica e nos combustíveis, que deve impactar a inflação do período.

O dólar, outro fator que impacta diretamente a inflação, deve chegar ao fim de 2014 custando R$2,35 e terminar 2015 ainda mais caro, com valor de R$ 2,50.
Uma das principais âncoras da diminuição da expectativa de crescimento do PIB em 2014 é a indústria. Segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), elaborada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a produção industrial brasileira caiu 1,4% em junho, 0,8% em maio e 0,3% em abril, fechando os resultados trimestrais no vermelho.

continua após publicidade

A previsão da sondagem do BC é de que a indústria encolha 1,76% ainda neste ano e cresça 1,7% no ano que vem.

CONSUMO

O consumo das famílias, fator que mais pesa no PIB, também não deve apresentar bons resultados. Com a inflação próxima ao teto da meta de 6,5% e com a retração do crédito, os consumidores estão gastando menos.

continua após publicidade

No último trimestre, o setor apresentou queda de 0,1%, após uma série de importantes altas nos períodos anteriores. Este efeito deve refletir diretamente nos resultados do setor de serviços.

Para o PIB do segundo trimestre de 2014, que será divulgado nesta sexta (29), os economistas estimam uma retração de 0,2%. O indicador de atividade econômica calculado pelo Banco Central (IBC-Br) estima uma queda mais grave, de 1,2%, da produção no mesmo período.