Economia

BC diz que atividade mais fraca não é suficiente para derrubar inflação

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia BC diz que atividade mais fraca não é suficiente para derrubar inflação
fonte: Foto: arquivo
BC diz que atividade mais fraca não é suficiente para derrubar inflação

BRASÍLIA, DF - Em meio à especulação do mercado e a pressões dentro do governo, o Banco Central disse nesta quinta-feira (24) de forma explícita que não planeja reduzir os juros antes das eleições presidenciais, apesar da desaceleração econômica.

continua após publicidade

A instituição afirmou que a atividade segue para o campo desinflacionário. Ainda assim, a inflação ficará resistente nos próximos trimestres.

Por isso, a "estratégia" é manter a taxa básica em 11% ao ano para que a inflação recue. A previsão do BC é que o índice oficial de preços ao consumidor (IPCA), ainda assim, só volte a ficar próximo da meta de 4,5% em 2016.

continua após publicidade

Nos 12 meses até junho, o IPCA acumula alta de 6,52%, já acima do teto da meta.

"Mantidas as condições monetárias -isto é, levando em conta estratégia que não contempla redução do instrumento de política monetária -[a inflação] tende a entrar em trajetória de convergência para a meta nos trimestres finais do horizonte de projeção [que vai até meados de 2016]."

A afirmação faz parte da ata da reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) realizada na quarta-feira da semana passada (16). Naquele dia, a instituição manteve os juros em 11% ao ano.

continua após publicidade

A próxima reunião do Copom está marcada para 3 de setembro. Uma semana antes, será divulgado o resultado do PIB (Produto Interno Bruto), que pode mostrar retração na economia e até recessão.

Depois, o comitê só volta a se reunir na última semana de outubro, ou seja, depois da data marcada para o segundo turno das eleições.

Na última semana, pessoas da equipe econômica afirmaram à Folha que não procedia a especulação do mercado de que o comunicado da decisão de quarta-feira deixava aberta a possibilidade de corte de juros em setembro.

continua após publicidade

Em algumas áreas do governo, no entanto, havia informações de bastidores de que uma recessão obrigaria o BC a mudar de ideia antes das eleições.


SEM RECESSÃO

continua após publicidade

Tony Volpon, chefe de pesquisas para mercados emergentes do Nomura Securities, afirmou que, ao sinalizar que não haverá corte de juros, a instituição deixa claro que não compra a ideia de que o Brasil está entrando em recessão, o que poderia justificar uma mudança na política monetária.

Disse ainda que o corte de juros ajudaria muito pouco na recuperação da atividade, mas pioraria as expectativas de inflação.

Para a consultoria LCA, o BC apontou que, a despeito do enfraquecimento da atividade, não avalia a possibilidade de redução da taxa Selic no curto prazo.

continua após publicidade

"O BC emite dois sinais bastante claros: a Selic não deverá cair no curto prazo, como os mercados passaram a especular nas últimas semanas, mas tampouco deverá voltar a subir, caso a inflação trilhe a atual trajetória esperada."

Sobre a previsão do BC de melhora da inflação em 2016, Luciano Rostagno, estrategista-chefe do Banco Mizuho do Brasil, afirma que isso só se tornará realidade se houve ajuda da política fiscal e reformas econômicas estruturais.

"Ao descartar a possibilidade de corte da taxa na próxima reunião, o Banco Central não só ajuda a reduzir o ruído no mercado de renda fixa, mas também atua para conter um aumento das expectativas de inflação", afirmou Rostagno.


INFLAÇÃO

Na ata, o BC também piorou seu cenário sobre o comportamento dos preços.

Pelo cenário de referência (Selic a 11% e dólar a R$ 2,20), a projeção para a inflação de 2014 e de 2015 foi elevada sobre o valor do documento anterior e permanece acima do centro da meta.

O BC também passou a ver mais alta nos preços das tarifas de energia elétrica neste ano, a 14%, frente aos 11,5% até então. Ao mesmo tempo, passou a ver menor redução nos preços de telefonia fixa, a 3,8%, ante 4,2%.

No geral, manteve em 5% suas contas para a alta nos preços administrados.