Economia

BNDES pede informações sobre empréstimo da Portugal Telecom

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia BNDES pede informações sobre empréstimo da Portugal Telecom
fonte: Foto: Arquivo
BNDES pede informações sobre empréstimo da Portugal Telecom

RIO DE JANEIRO, RJ - Após a insatisfação dos sócios privados, agora é o BNDES, um dos principais acionistas da Oi, que critica a gestão da Portugal Telecom, que comanda a fusão com a tele brasileira.

continua após publicidade

Os sócios da Portugal Telecom (PT) deverão receber cerca de 8% menos ações da "nova Oi" para que o processo de fusão entre as duas teles não pare ou sofra atrasos.

Essa seria a solução para pôr fim ao imbróglio que se tornou o "empréstimo" de 897 milhões de euros (R$ 2,7 bilhões) feito pela operadora portuguesa à empresa que controla o Banco Espírito Santo (BES), um dos sócios da PT --e, futuramente, da "nova Oi".

continua após publicidade

Oficialmente, a PT informou que usou o dinheiro para comprar, em abril (antes do anúncio da fusão), notas promissórias da Rioforte, dona do BES, que está em dificuldade financeira.

Parte dessas notas vencem em julho, e a Rioforte quer renegociar.

O BNDES diz que solicitou informações detalhadas sobre essa "aplicação", ou seja, o empréstimo.

continua após publicidade

O banco disse ainda que "não considera nenhuma alternativa que não seja a preservação dos interesses dos acionistas da Oi" --inclusive o próprio banco, alinhando-se ao discurso dos acionistas brasileiros. Pondera, porém, que "ao mesmo tempo", "renova sua confiança na atual gestão da companhia."

CONSELHO

O "empréstimo" não foi submetido ao conselho de administração da PT porque se tratava de uma "aplicação" feita pela SPGS, empresa que controla a Portugal Telecom.

continua após publicidade

Para os sócios brasileiros da Portugal Telecom --a Andrade Gutierrez e a La Fonte--, isso não alivia.

O "empréstimo" ocorreu no momento em que ambas as partes definiam o aumento de capital de quase R$ 14 bilhões na "Nova Oi" e que, na prática, selou a fusão.

Uma possível baixa desse "empréstimo" após aumento de capital afetará o valor das ações da "Nova Oi" --e, segundo eles, por uma decisão unilateral dos portugueses. Por isso, dois conselheiros ligados aos sócios brasileiros deixaram o conselho da PT.

Agora, a saída será reduzir a participação dos sócios da PT na "nova Oi".