Economia

Ibovespa cai, mas garante nível de 53 mil pontos

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Ibovespa cai, mas garante nível de 53 mil pontos
fonte: Foto: Arquivo
Ibovespa cai, mas garante nível de 53 mil pontos

Num pregão com giro um pouco melhor que o da véspera, a Bovespa 'lutou' para tentar sustentar o patamar psicológico de 53 mil pontos nesta quarta-feira, 2. Conseguiu nos minutos finais, não sem antes operar parte da tarde abaixo disso, pressionada por Petrobras e bancos.

O Ibovespa terminou a sessão em baixa de 0,27%, aos 53.028,78 pontos, menor patamar desde os 51.558,79 pontos de 5 de junho. Na mínima, registrou 52.735 pontos (-0,82%) e, na máxima, 53.245 pontos (+0,14%). No mês, acumula perda de 0,26% e, no ano, alta de 2,95%. O giro financeiro totalizou R$ 5,899 bilhões.

Os dados da produção industrial brasileira em maio foram fracos e engrossaram a lista de indicadores que mostram fragilidade da economia do País. Isso tem influenciado a Bovespa, ao tirar o apetite dos investidores, sobretudo por fazê-los desistir de compras de longo prazo.

O IBGE informou que a produção industrial caiu 0,6% em maio ante abril, na série com ajuste sazonal. Os economistas previam um intervalo de -1,40% a +0,30%, com mediana de -0,60%. Em relação a maio de 2013, a produção caiu 3,2% (o intervalo ia de -1,70% a -6,00%, com mediana de -3,35%). No ano, a produção da indústria acumula queda de 1,6%. Em 12 meses, a produção subiu 0,2%. Outros dados divulgados hoje também foram fracos, como os números de vendas da Fenabrave e da confiança dos empresários industriais paulistas.

À tarde, o levantamento do Datafolha sobre intenção de votos, encerrado hoje e que deve sair nos próximos dias, também foi precificado nos ativos. Petrobras perdeu força e passou a cair por causa da expectativa de que Dilma Rousseff aumente sua participação nas intenções de voto, uma vez que a perspectiva de fracasso da Copa do Mundo do Brasil não se confirmou. No finalzinho, entretanto, Petrobras se recuperou e a ON subiu 0,25%, enquanto a PN caiu 0,41%.

Bancos recuaram firme, sem motivo aparente. Um operador comentou que, como o setor tem o maior peso individual na bolsa, para puxá-la para baixo o investidor se desfaz desses ativos. Outros profissionais não apontaram nenhum motivo mais evidente para esse comportamento.

Itaú Unibanco PN caiu 1,62%, Bradesco PN, 0,31%, BB ON, 1,68%, mas Santander Unit subiu 0,13%.

Vale ON avançou 2,66%, PNA, 2,81%. Gerdau PN subiu 2,71%, Metalúrgica Gerdau PN, 2,81%, Usiminas PNA, 4,65%, e CSN ON, 3,43%.

A Bovespa, assim, fechou na contramão de NY, onde o Dow Jones subiu 0,12%, aos 16.976,24 pontos, e o S&P avançou 0,07%, aos 1.974,62 pontos, ambos em novos patamares recorde. Nasdaq recuou 0,02%, aos 4.457,73 pontos.

continua após publicidade