Economia

Versão impressão é responsável por 93% da receita publicitária de jornais

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Versão impressão é responsável por 93% da receita publicitária de jornais
fonte:
Versão impressão é responsável por 93% da receita publicitária de jornais

SÃO PAULO, SP - Embora a publicidade digital continue a crescer, ela ainda corresponde a uma fatia pequena do total de receitas da indústria de jornais no mundo, segundo o relatório de 2014 sobre tendências jornalísticas divulgado nesta semana pela World Association of Newspapers and News Publishers, entidade do setor.

continua após publicidade

Globalmente, 93% das receitas publicitárias são originadas das versões impressas.

Cerca de 2,5 bilhões de pessoas no mundo consomem o produto impresso, enquanto 800 milhões usam plataformas digitais, segundo o levantamento.

continua após publicidade

Em 2013, a circulação dos impressos cresceu 2% no mundo, em relação ao ano anterior. No intervalo de cinco anos, porém, caiu outros 2%.


CRESCIMENTO

Nos países que abrigam uma classe média crescente e baixa penetração de banda larga, como os da Ásia e América Latina, a circulação do impresso continua a crescer significativamente na comparação com mercados já maduros, cujas audiências se inclinam para o meio digital.

continua após publicidade

A região que mais se expandiu em circulação foi a América Latina, com alta de 2,56% em 2013 em relação ao ano anterior. Na mesma tendência, a Ásia avançou 1,45%. A América do Norte, por outro lado, registrou recuo de 5,29%, assim como a Europa (-5,20%).


ASSINATURA DIGITAL

O documento também sinaliza que a circulação digital paga subiu 60% em 2013. A alta nos últimos cinco anos foi de mais de 2.000%, devido à pequena base de comparação em um segmento relativamente novo.

continua após publicidade

"Existe hoje um entendimento crescente do público de que ele recebe pelo que paga, além de um maior interesse pelo pagamento de conteúdo digital", diz Larry Kilman, secretário-geral da entidade.

"Apesar de tamanha oferta de conteúdo gratuito, as pessoas ainda desejam notícias produzidas e editadas profissionalmente", afirma.