Economia

Trigo pode ter safra recorde em 2014, avalia o IBGE

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Trigo pode ter safra recorde em 2014, avalia o IBGE
fonte: Foto: arquivo
Trigo pode ter safra recorde em 2014, avalia o IBGE

A produção nacional de trigo pode ter safra recorde em 2014, segundo o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de maio, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A expectativa é de que a safra alcance 7,8 milhões de toneladas, um crescimento de 36,5% em relação a 2013.

"O trigo está no campo. Se confirmada a estimativa, vai ser recorde de produção no ano, que é muito bom para o Brasil, porque o País importa muito ainda", disse Carlos Guedes, técnico da Coordenação da Agropecuária do IBGE. "Nunca se produziu tanto trigo no Brasil."

A lavoura de trigo foi favorecida pelo clima ameno no Paraná e no Rio Grande do Sul, principais produtores. A produção do Paraná deve ser 112,3% maior que a de 2013, quando o Estado sofreu com o clima frio e a ocorrência de geadas. Apesar de otimista, a previsão de maio ainda está sujeita e revisões nos próximos levantamentos. As lavouras ainda estão no início do ciclo e sujeitas às intempéries climáticas, alertou o IBGE.

"Teve chuva no Paraná, mas não sabemos se afetou o trigo, porque foi agora. Até o mês de maio as condições climáticas estavam muito boas para o trigo", ponderou Guedes. "Pode ser que as chuvas tenham afetado um pouco o trigo, mas só vamos saber na próxima divulgação", acrescentou.

O levantamento de maio estima uma safra de trigo quase 13% maior que o previsto em abril. Mesmo que a safra recorde se confirme, ainda está abaixo do consumo aparente do País, estimado em cerca de 12 milhões de toneladas por ano. "Mas a nossa produção geralmente gira em torno de 4 ou 5 milhões de toneladas", ressaltou Guedes.

Segundo o pesquisador, além das condições climáticas favoráveis, a produção de trigo foi impulsionada em 2014 pelos preços atraentes ao produtor. "Então foram duas coisas: preços, que foram bons e animaram os produtores, e as condições climáticas. E, como o preço está bom, os produtores investiram em tecnologia, em semente", disse.

continua após publicidade